Comissão Europeia quer assegurar os direitos laborais dos trabalhadores da Uber e outras plataformas

A Comissão Europeia quer assegurar os direitos laborais dos trabalhadores de plataformas digitais como a Uber ou a Deliveroo, nomeadamente em situações de doença, acidente ou desemprego, e equaciona uma nova lei dirigida a estes profissionais.

A posição é defendida pelo comissário europeu do Emprego e Direitos Sociais, Nicolas Schmit, que, em entrevista à agência Lusa em Bruxelas, argumentou que “quando uma pessoa trabalha para ou através de uma plataforma não deve ser colocada numa situação em que a proteção social ou os direitos laborais básicos não se aplicam”.

“Para mim, a questão não é se a pessoa é um funcionário ou um trabalhador por conta própria”, esclarece Nicolas Schmit, que assinala que mesmo em situações em que são prestados serviços às plataforma através de novas empresas ou enquanto trabalhadores independentes “devem existir direitos à proteção social, como em casos de doença, acidente ou desemprego”.

Segundo o comissário europeu, “as mais conhecidas são a Uber [de transporte privado de passageiros] e a Deliveroo [de entrega de comida], entre outras, mas existem dezenas de milhares de plataformas na UE com serviços muito diferentes: umas mais ligadas ao transporte ou às entregas de comida ou outros bens, mas também existem plataformas através das quais as pessoas realizam alguns trabalhos, como de arquitetura ou engenharia, etc”.

“É muito diversificado e estamos a pensar em todas, o que não torna a tarefa muito fácil, porque temos de olhar para todas”, reconhece ainda Nicolas Schmit na entrevista à agência.

Para Bruxelas urge, portanto, dar proteção social a estes motoristas, estafetas e outros como trabalhadores das plataformas ‘online’, nomeadamente “no que toca às pensões, porque se estas pessoas não tiverem acesso à reforma quando forem mais velhas, então haverá, dentro de 30 ou 40 anos, um enorme problema”, declara o responsável luxemburguês.

“Temos de clarificar todas estas questões e esta será uma das principais questões na nossa agenda no próximo ano”, garante.

Ainda assim, Nicolas Schmit reconhece que “vai demorar algum tempo” até que o executivo comunitário avance com uma proposta concreta, que deverá assentar em nova e específica legislação.

Até lá, terá de ser feita uma “ampla consulta aos parceiros sociais” e negociar com as partes envolvidas.

“Começámos já algumas discussões. Já tive contactos com alguns ‘stakeholders’, como plataformas, sindicatos, académicos”, destaca Nicolas Schmit à Lusa.

Outra questão a ser considerada por Bruxelas é “como é que estas plataformas são tratadas do ponto de vista da contribuição social, dado que é preciso financiar os sistemas de segurança social”, refere.

E vinca: “Se as plataformas têm ganhos, também devem contribuir, mesmo que as plataformas aleguem que não são o empregador, nos casos de trabalhadores por conta própria”.

O comissário europeu recorda, ainda, que “em alguns Estados-membros foram adotadas iniciativas para melhorar o trabalho nas plataformas”, mas assegura que Bruxelas quer “assegurar igualdade de oportunidades” em toda a UE.

Em Portugal, esta ainda não é uma realidade, embora o Governo esteja a equacionar uma lei para regular as relações laborais nestas plataformas digitais.

A proteção social é um dos princípios fundamentais consagrado no Pilar dos Direitos Sociais, um texto não vinculativo que visa a promoção dos direitos sociais na Europa, aprovado há três anos na Suécia.

No documento lê-se que “independentemente do tipo e da duração da sua relação de trabalho, os trabalhadores por conta de outrem e, em condições comparáveis, os trabalhadores por conta própria, têm direito a uma proteção social adequada”.

A agenda social foi avançada como uma das grandes prioridades da presidência portuguesa da UE no primeiro semestre de 2021, estando prevista a aprovação do futuro plano de ação referente a este Pilar dos Direitos Sociais.

Ler mais
Recomendadas

Sistema informático do BPI certificado pelo CMMI Institute

O BPI vê assim reforçada a capacidade de resposta às exigências das entidades de Supervisão Bancária na área do risco tecnológico.

Euro digital vai acontecer “com grande probabilidade”, diz especialista do London School of Economics

Ricardo Reis, professor da London School of Economics, acredita que o Banco Central Europeu acabará por emitir o euro digital. Bancos comerciais vão continuar a existir e a dirimir a relação com clientes, mas as moedas estáveis vão “perder grande parte do seu apelo”.

Bankinter Portugal deu mil milhões de moratórias e constituiu 2,5 milhões de provisões

A sucursal do Bankinter em Portugal deu 1.000 milhões de moratórias de crédito, o que representa 15% da sua carteira. Já em provisões para acautelar o impacto da pandemia Covid-19 o Bankinter Portugal deixou de lado 2,5 milhões de euros.
Comentários