Comité do Banco de Cabo Verde recomenda manter orientação da política monetária

A próxima reunião está marcada para 28 de janeiro de 2020.

O Comité de Política Monetária (CPM) do Banco de Cabo Verde (BCV), cuja última reunião ordinária se realizou no final de novembro, recomendou ao conselho de administração do banco central cabo-verdiano a manutenção da atual orientação da política monetária.

De acordo com um comunicado da instituição, a decisão teve por base a análise dos desenvolvimentos macrofinanceiros recentes e das suas perspetivas de evolução nos próximos meses.

“O comité atestou que os indicadores disponíveis sugerem que o enquadramento externo, ainda que menos favorável, continuou a beneficiar a procura externa dirigida ao país e o financiamento na economia nacional, além de contribuir para a redução da inflação importada”, refere o documento.

Segundo a mesma fonte, o CPM avaliou favoravelmente o desempenho da economia nacional, que manteve uma boa dinâmica no terceiro trimestre, de acordo com a evolução dos indicadores de tendência da atividade económica.

Igualmente positivo foi avaliado o crescimento moderado do índice de preços no consumidor, cuja taxa de variação média anual se fixou nos 1,1 por cento em Outubro; assim como a melhoria da balança corrente, que registou um défice de 2.908 milhões de escudos nos primeiros três trimestres do ano, valor três vezes inferior ao registado em período homólogo, reflexo, sobretudo, do aumento das exportações de serviços.

Assinala também o aumento das reservas oficiais do país em cerca de 92 milhões de euros, em resultado do bom desempenho da balança corrente e crescimento significativo dos desembolsos da dívida pública externa.

Essa situação, segundo explica o comunicado, determinou a expansão da oferta monetária nos primeiros dez meses do ano, numa conjuntura de crescimento do ‘stock’ do crédito ao sector privado em 1,8 por cento e de redução da taxa média de juros aplicada nas operações de empréstimos na ordem dos 0,61 pontos percentuais.

Em relação às condições no mercado monetário, o comunicado adianta que os dados analisados durante a análise indiciam um aumento do excedente de liquidez na ordem dos 21% em termos homólogos, ou seja, Outubro de 2018.

Conforme o comité para tal contribuiu um larga medida, o alargamento da base de incidência, impulsionado pelo crescimento dos depósitos à ordem, de poupança, assim como dos depósitos de não residentes em moeda estrangeira.

O comité analisou, igualmente, o relatório de acompanhamento dos movimentos de capitais, concluindo que o padrão do comportamento dos bancos e seus clientes continuam a não suscitar indícios de crescimento de riscos, desde a liberalização integral da balança de pagamentos ocorrida em julho de 2018.

O CPM foi criado em 27 de outubro de 2004, tendo como objetivo a análise periódica da informação disponível como suporte ao processo de tomada de decisão do conselho de administração do Banco de Cabo Verde”.

O CPM reúne-se, ordinariamente, uma vez por mês e, extraordinariamente, sempre que necessário, por convocação de seu presidente. A próxima reunião está marcada para 28 de janeiro de 2020.

Ler mais
Relacionadas

Presidente da Bolsa cabo-verdiana diz que processo de venda das ações da Cabo Verde Airlines será “completamente subscrita”

É no próximo dia 16 de dezembro que fecha o dossiê da venda de 7,65% de títulos da antiga TACV junto da diáspora.
Recomendadas

Banco de Cabo Verde prevê vender sede e edifícios por mais de 3,2 milhões de euros

A administração do Banco de Cabo Verde (BCV) esclareceu esta segunda-feira que a venda da atual sede e mais dois edifícios na Praia será feita por mais de 3,2 milhões de euros, conforme avaliação de peritos aos imóveis.

Cabo Verde Airlines em risco de desaparecer

O vice-primeiro-ministro cabo-verdiano, Olavo Correia, afirmou que, sem a intervenção do Estado, a Cabo Verde Airlines (CVA) “desaparecerá”.

Paulo Macedo diz que fecha venda do banco em Cabo Verde em breve e adia ‘sine die’ venda no Brasil

Esta venda da participação social no Banco Comercial do Atlântico estava prevista no plano estratégico da CGD para 2017-2020 negociado com a DGComp de Bruxelas. Já o banco do Brasil não vai ser vendido dentro do prazo estabelecido no acordo com a Comissão Europeia.
Comentários