Como financiar o jornalismo? Conheça as opiniões dos principais players do mercado

O financiamento dos meios de comunicação social esteve hoje em debate por jornalistas e gestores numa conferência organizada pelo Sindicato dos Jornalistas.

Na conferência financiamento dos media no painel “Modelos de negócio e de gestão: dificuldades e oportunidades”, o administrador do Jornal Económico, Luís Figueiredo Trindade, propôs, tal como outros especialistas, a criação de um “acordo de cavalheiros”, em que as notícias mais importantes publicadas no digital fossem fechadas e que todos os meios respeitassem esse acordo. “É fundamental haver um modelo de subscrição para respeitarmos os nossos jornalistas”.

“Queremos defender a independencia e a pluralidade. Não podemos deixar que a credibilidade seja posta em causa”, acrescenta Luís Figueiredo Trindade. Na sua intervenção, o gestor salientou ainda que “é adepto” do não financiamento do Estado aos órgãos de comunicação social, mas acredita que o mesmo deveria “ter um papel de conscencializar os cidadãos portugueses para terem o hábito de pagar pela informação”.

Afonso Camões, administrador da Global Media, sublinhou por sua vez o facto de o Google e o Facebook representarem a maior fatia de toda a publicidade digital. Para o administrador, o Estado deve apoiar o jornalismo. “O Estado pode ajudar e, desde logo, por via fiscal. É essencial que o montante gasto em compras de notícias a grupos de comunicação social passe a ser abatido aos impostos. As notícias são grátis em quase toda a parte. É um pecado capital”, diz.

Já Ricardo Costa, diretor geral de informação do grupo Impresa, “é pouco ou nada favorável” às ajudas do Estado aos órgãos de Comunicação Social. “Vejo com extremo cetisimo e desconfiança das ajudas diretas de funcionamento. A independencia jornalistica deve andar a par da independencia economica”, destacou.

Sérgio Figueiredo, diretor de informação da TVI, começou por dizer que o jornalismo é um “pilar fundamental da democracia”. “O que verificamos é uma transferência colossal de recursos para as plataformas digitais. Entre 60 a 70% é captada pelo duópolio global, Facebook e Google. Os consumidores não são meros consumidores. São cidadãos e ninguém quer um mundo onde apenas uma elite acede a bom jornalismo”, refere.

Para Manuel Carvalho, diretor do jornal Público, o financiamento dos media entrou no debate público e é “preciso ir a jogo”. “Um financiamento direto [do Estado] é algo absolutamente indesejável. Temos de fechar os nossos conteúdos que sejam de valor de acrescentado para os nossos jornais. Temos de nos proteger todos uns aos outros, uma espécie de acordo de cavalheiros entre todos”.

António Carrapatoso, presidente do Conselho de Administração do Observador, realçou que a questão fundamental é conseguir um modelo inovador e sustentável. “É precisco inovar e criar produtos atrativos à sociedade. Levar a que as associações e os sindicatos do setor tenham regras claras e com capacidade permanente de renovação”.

Mafalda Anjos, publisher do grupo Trust in News, referiu que “apesar da enorme audiência digital, a maioria das receitas vai para os players globais, Google e Faceboo”. Para a publisher, ainda se está “por encontrar o caminho do futuro”. “É fundamental para o setor pensar num plano de apoio para os media. A informação livre é um dos pilares de uma democracia sólida”, conclui.

Ler mais
Recomendadas

Possibilidade de moratórias de crédito serem prorrogadas é muito escassa, diz APB

Faria de Oliveira disse ainda que as moratórias não “são o fim da linha” e que as informações que lhe chegam dos bancos é de um “impacto muito reduzido” desde que terminaram as primeiras moratórias, o que aconteceu em 31 de março, com cerca de 86 mil famílias a retomarem o pagamento dos seus créditos à habitação este mês de abril.

Rede Nacional de Expressos reforça ligações em todo o território nacional

Os responsáveis da empresa criticam o facto de Portugal ser atualmente “o único país da União Europeia com este constrangimento de dois terços da lotação do transporte rodoviário, divergindo dos procedimentos europeus e criando dificuldades logísticas e financeiras ao nível do transporte nacional e internacional”.

Mercadona vai investir mais 150 milhões de euros em Portugal em 2021

A previsão para 2021 é de abrir mais nove lojas no nosso país. Com a finalidade de dar continuidade ao seu projeto de expansão em Portugal, a empresa recrutará 500 pessoas, sempre com contrato sem termo desde o primeiro dia.
Comentários