Como o populismo utiliza a comunicação para chegar ao poder

Especialistas mundiais vão debater o tema durante a próxima semana em Lisboa, por iniciativa da Universidade Católica.

“Nos últimos anos os movimentos populistas têm emergido em diferentes regiões do globo, com o aparecimento de líderes que se apresentam como os únicos representantes da vontade do povo e que utilizam um discurso nacionalista e polarizador. Embora o populismo assuma diferentes características em diferentes continentes, há algo em comum: o facto de todos utilizarem intensivamente os meios de comunicação para fazerem chegar as suas mensagens à opinião pública”.

Quem o diz é Nelson Ribeiro, diretor da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica, que na próxima semana traz a Portugal alguns dos mais reputados especialistas mundiais na matéria para debater, numa perspetiva global, o fenómeno do populismo contemporâneo, percebendo de que modo este utiliza a comunicação mediada, do jornalismo aos meios digitais, para chegar ao poder.

“Media e Populismo” é tema da primeira edição da Lisbon Winter School for the Study of Communication, organizada pela Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa. Os debates têm lugar entre os dias 15 e 19 de janeiro em três palcos diferentes: Palácio Foz, Pousada de Lisboa e Universidade Católica Portuguesa na Palma de Cima.

Entre os palestrantes, destaque para Barbie Zelizer, da University of Pennsylvania e diretora do Centro Media@Risk, Silvio Waisbord, da George Washington University, Sarah Banet-Weiser, Dean da London School of Economics & Political Sciences, Ruth Wodak, da University of Lancaster, Risto Kunelius, da University of Helsinki, Francis Lee, dean da Chinese University of Hong Kong, e Karin Wahl-Jorgensen, da University of Cardiff.

Barbie Zelizer, que tem dedicado grande parte dos seus estudos ao tema do jornalismo em tempos de crise, irá analisar o impacto dos populismos na sobrevivência da imprensa livre. Professora e diretora de um novo centro de investigação “Media at Risk” da Annenberg School for Communication (University of Pennsylvania), é ainda autora de 14 livros sobre o tema, mais de 150 artigos e ensaios, tendo obras traduzidas em 9 línguas.

Especialista na relação media e política, Silvio Waisbord tem-se dedicado ao estudo dos populismos na América Latina e no papel que os media digitais têm tido na sua ascensão. Lecionou em mais de 30 países, publicou 13 livros e escreveu mais de 100 artigos, capítulos de livros e colunas de jornais, destacando-se uma das suas mais recentes obras Populist communication by digital means: presidential Twitter in Latin America, 2017.

A Lisbon Winter School for the Study of Communication é uma iniciativa do Centro de Estudos de Comunicação e Cultura e do Programa Doutoral em Ciências da Comunicação da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa, em parceria com a Annenberg School for Communication (University of Pennsylvania) e a Chinese University of Hong Kong. Esta 1.ª edição juntará cerca de 80 participantes de quatro continentes num fórum de discussão que contará com a participação de estudantes de doutoramento e dos nomes mais reputados dos estudos dos media e do populismo a nível global.

Ler mais
Recomendadas

PSD quer auditoria ao período pós-resolução do BES

Segundo o deputado do PSD, António Leitão Amaro, o que é preciso auditar, “e que ainda não foi auditado” consiste no que aconteceu depois da resolução do BES, “como a venda do Novo Banco à Lone Star e o que aconteceu depois disso”, nomeadamente, “as imparidades”.

“Não há mais como escapar”. Como os políticos brasileiros reagiram à detenção de Michel Temer

A Polícia Federal brasileira deteve hoje de manhã Michel Temer e tenta cumprir outros mandados contra aliados do antigo Presidente brasileiro, numa ação a pedido dos investigadores da Operação Lava Jato do Rio de Janeiro. As reações não se fizeram esperar.

PCP propõe nova estrutura orgânica e forma de gestão das Áreas Protegidas

Grupo Parlamentar do PCP apresenta projeto de lei que visa “assegurar uma gestão mais próxima e adequada das Áreas Protegidas” e “determinar o papel essencial dos Planos Especiais de Ordenamento do Território e a responsabilidade do Instituto de Conservação da Natureza e Florestas”.
Comentários