Compras online: qual o método de pagamento mais seguro?

Os portugueses pensam, erradamente, que as transferências bancárias e referências multibanco são os métodos mais seguros de pagamento online.

Enquanto as compras online têm vindo a ganhar cada vez mais adeptos a nível europeu, há muitos consumidores em Portugal que continuam pouco recetivos à utilização do cartão de crédito e de débito, Visa e Mastercard, rendendo-se às transferências bancárias e às referências multibanco, pensando erradamente que são os métodos mais seguros.

Olhemos para as razões pelas quais os portugueses não utilizam cartões quando compram online: em primeiro lugar, porque têm medo de partilhar os seus dados online; em segundo lugar, porque preferem que o dinheiro saia diretamente da conta, não tendo de se preocupar com a disponibilidade do saldo uns dias depois; e, por último, porque assumem que ao utilizarem o cartão estão a pedir um crédito pelo qual vão pagar juros.

Embora todas estas justificações sejam válidas, estão essencialmente erradas. O consumidor está protegido na medida em que se houver movimentos que não estejam associados a compras reais do dono dos cartões, a entidade emissora – a Visa ou a Mastercard – devolve-lhe esse valor até o problema estar esclarecido. A maioria dos cartões de crédito tem um seguro associado que protege o detentor do cartão contra usos indevidos, não havendo lugar a nenhum tipo de cobrança por movimentos que se venham a provar que não foram feitos pelo próprio.

Em seguida, se prefere que o dinheiro seja logo retirado da conta, pode sempre fazer o pagamento adiantado, garantindo que o cartão não é debitado na sua conta corrente numa altura que não lhe dê jeito. É sempre possível utilizar o cartão de crédito numa compra online e fazer um pagamento imediato ao cartão através de uma referência, para que o dinheiro saia diretamente da conta.

Quanto à terceira preocupação, todos os cartões de crédito têm uma opção de pagamento total a 30 dias sem juros, pelo que não está a pedir nenhum empréstimo.

Por fim, qualquer coisa que não decorra como esperado, o comprador tem ainda 14 dias corridos a partir do momento em que recebe a sua encomenda, para cancelar a compra, devolvendo o produto. Chama-se a isto prazo de reflexão. Se não recebeu efetivamente a encomenda (incluindo na data combinada), ou se a recebeu mas não está de acordo com o que estava descrito no site, ou há erros nos tamanhos encomendados (no caso de roupa), pode devolver o produto, cancelar a compra e o dinheiro não chega a sair da sua conta.

Perante esta explicação, torna-se claro que os cartões de crédito são a opção mais segura quando está a fazer uma compra online e, conhecendo os seus direitos, o comprador deve utilizar este método de pagamento, garantindo que a qualidade do produto está salvaguardada, o prazo de entrega está protegido e os dados do detentor do cartão estão assegurados.

Recomendadas

Sodexo reembolsa mais de 325 mil euros em cartão refeição com IVAucher

A Sodexo Portugal é a única empresa de benefícios extrassalariais aderente ao programa IVAucher.

NOS e Vodafone com possibilidade de trabalho remoto total a partir de dezembro

A operadora de telecomunicações Nos “cumprirá integralmente a recomendação de teletrabalho obrigatório, para todas as funções em que tal seja possível, na semana de 02 a 09 de janeiro de 2022”.

Adesão à greve dos trabalhadores da Rodoviária de Lisboa ronda os 60 a 70%, sindicato

Esta é a quarta paralisação, em cerca de dois meses, convocada pelo Sindicato Independente dos Trabalhadores da Rodoviária de Lisboa (SITRL) e pela Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS).
Comentários