Concorrência recebeu um comentário sobre o processo Cofina/Media Capital

“O prazo termina na segunda-feira, 21 de outubro. Até ao momento, apenas uma entidade apresentou comentários”, indicou, em resposta à Lusa, fonte oficial da AdC.

Vincent West / Reuters;

O prazo dado pela Autoridade da Concorrência (AdC) para os interessados na compra da TVI pela Cofina apresentarem comentários termina na segunda-feira e, até ao momento, pronunciou-se uma entidade, avançou à Lusa fonte oficial do regulador.

“O prazo termina na segunda-feira, 21 de outubro. Até ao momento, apenas uma entidade apresentou comentários”, indicou, em resposta à Lusa, fonte oficial da AdC.

A autoridade liderada por Margarida Matos Rosa tinha dado 10 dias úteis para os interessados no processo se pronunciarem.

O registo da Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a Media Capital foi pedido pela Cofina na passada sexta-feira, o último dia do prazo para o fazer, conforme disse à Lusa, esta segunda-feira, fonte oficial da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Em 21 de setembro, a dona do Correio da Manhã anunciou que tinha chegado a acordo com a espanhola Prisa para comprar a totalidade das ações que detém na Media Capital, valorizando a empresa (‘enterprise value’) em 255 milhões de euros. A operação de compra inclui também a dívida da Media Capital.

“O objeto da oferta é constituído pela totalidade das 84.513.180 ações ordinárias, escriturais e nominativas, com o valor nominal de 1,06 euros, representativas do capital social e dos direitos de voto da sociedade visada”, indicou a Cofina no anúncio preliminar da oferta.

A Cofina, empresa liderada por Paulo Fernandes, espera que a compra da Media Capital resulte em sinergias de 46 milhões de euros.

Além disso, a dona do Correio da Manhã estima que a compra esteja concluída no primeiro semestre de 2020.

A transação está sujeita a certas condições, em particular a aprovação dos reguladores e a realização de um aumento de capital da Cofina em 85 milhões de euros para o financiamento parcial da compra da participação da Prisa na Media Capital, que detém a TVI.

A Cofina espera financiar a operação de compra com 220 milhões de euros de dívida (‘debt financing’) e 85 milhões de euros do aumento capital.

Segundo a empresa, 50 milhões de euros de fundos captados serão utilizados para pagar os custos da transação e refinanciar a dívida líquida da Cofina.

Metade do aumento de capital será garantido pelos acionistas principais.

O grupo Cofina detém, além do Correio da Manhã e do Record, a CM TV, o Jornal de Negócios, a revista Sábado, entre outros títulos.

Por sua vez, a Media Capital conta com seis canais de televisão e a plataforma digital TVI Player. Além da TVI, canal generalista em sinal aberto que celebra 26 anos, conta com a TVI24, TVI Reality, TVI Ficção, TVI Internacional e TVI África.

A Media Capital tem também rádios, onde se inclui a Comercial.

 

 

Ler mais
Relacionadas

Conselho de Administração da Media Capital considera contrapartida da Cofina “adequada”

Apesar dos elogios à oferta e à estratégia traçada pela Cofina, o conselho de administração do Grupo Media Capital realça que seria adequado “um eventual aumento ou revisão em alta da contrapartida”.
Recomendadas

EDP e EDP Renováveis: “Quebra e recuperação das ações refletem a força e a proteção das marcas”, diz especialista em reputação

Certo é que ainda cedo para tirar mais ilações sobre o impacto deste caso na reputação e na marca da EDP. “Quanto aos impactos na força de marca e em particular na reputação, há que ter em atenção que se trata de uma marca com um índice de força claramente robusto e que temos obviamente de esperar mais algum tempo para aferir os impactos reais”, salientou João Baluarte, sócio da OnStrategy, empresa especialista em análise reputacional de empresas.

EUA vão pagar 1,4 mil milhões de euros para Novavax desenvolver 100 milhões de vacinas da Covid-19

O governo dos EUA decidiu apostar e confiar na Novavax, uma empresa do estado do Maryland que nunca colocou um produto no mercado.

Deutsche Bank multado em mais de 130 milhões de euros após Epstein usar contas do banco para silenciar vítimas

De acordo com o “The New York Times”, o Deutsche Bank não fez “muitas perguntas” a Epstein para o ter como cliente. Nem mesmo quando foi observada a retirada de 100 mil dólares (88,6 mil euros) das contas do falecido multimilionário para “gorjetas e despesas domésticas”.
Comentários