Consultores vão custar 40 milhões de dólares à Sonangol

O novo plano de reestruturação da maior empresa angolana vai ser coordenado, ao nível dos consultores, pela Deloitte, que deverá trazer para Angola, e colocar ao serviço da Sonangol uma equipa plurinacional e multidisciplinar, com especialistas da Noruega e Brasil,

Cristina Bernardo

O Programa de Renegeração da Sonangol, anunciado ontem em Luanda pelo presidente do conselho de administração (PCA) da companhia, Carlos Saturnino, vai custar cerca de 40 milhões USD e prolongar-se por cerca de 30 meses, soube o Mercado.

O novo plano de reestruturação da maior empresa angolana vai ser coordenado, ao nível dos consultores, pela Deloitte, que deverá trazer para Angola, e colocar ao serviço da Sonangol uma equipa plurinacional e multidisciplinar, com especialistas da Noruega e Brasil, na vertente de negócio de Exploração & Produção, e de Franca, Portugal e Holanda, na vertente de negócio de Refinação e Distribuição de derivados.

O programa vai ser gerido pelo sócio de Energia e Recurso naturais da Deloitte Angola, Frederico Martins Correia, em conjunto com o sócio de Energia e Recurso naturais da Deloitte França, Olivier Perrin, apurou o “Mercado”.

A reestruturação anunciada pelo conselho de administração anterior, liderado por Isabel dos Santos, recorde-se, iria custar aos cofres da empresa cerca de 135 milhões USD em 18 meses.

Em Agosto passado, recorde-se, o Governo anunciou um processo de reestruturação do sector petrolífero, que passou pela criação da Agência Nacional de Petróleos e Gás (ANPG), pondo termo ao monopólio da Sonangol, que deverá ficar focada apenas no core business. Com a criação da agência, irá ocorrer a transferência de activos da Sonangol até Dezembro deste ano, indicou o Governo, na altura.

Leia mais na edição 181 que se encontra nas bancas

 

Ler mais
Relacionadas

Sonangol de saída da Unitel até final de 2019

“A Sonangol pretende alienar a participação na Unitel”, disse o PCA, em resposta a uma pergunta do “Mercado”.

Sonangol vai reduzir participação na banca comercial e em investimentos no exterior

“Como não temos uma estratégia para a banca comercial, como temos a certeza de que esses investimentos são úteis e bons para o grupo Sonangol? Daí que decidimos fazer uma análise, banco por banco, que dividendos trazem para o grupo”, afirmou o presidente do conselho de administração da Sonangol.
Recomendadas

Rui Patrício: “Não houve reações ao que Moro disse. Isso preocupa-me”

O advogado, presença assídua em alguns dos casos mais mediáticos, diz que não há classes profissionais “inocentes” na violação do segredo de justiça.

O ‘compliance’ da treta e a responsabilidade penal das empresas

Não há programas de ‘compliance’ perfeitos: mesmo nestas circunstâncias não é possível eliminar por completo o risco do incumprimento legal, mas a probabilidade de incumprir é muito menor.

Isabel da Silva Mendes: “Ordem dos Advogados está sem voz, silenciosa, distante”

A advogada da SPS e vogal do Conselho de Deontologia de Lisboa oficializou esta quinta-feira a sua candidatura a bastonária. Em entrevista ao Jornal Económico, refere que pretende alterar os Estatutos da Ordem e dar maior incidência à deontologia, publicidade, proteção de privacidade, inteligência artificial e regulação de plataformas digitais.
Comentários