Portugueses compraram mais congelados. Consumo subiu quase 20% em 2020

Em ano de pandemia e que obrigou a um confinamento da população, o retalho alimentar registou um crescimento de 8,1% no seu volume total de vendas face ao ano anterior.

O consumo de produtos congelados por parte dos cidadãos portugueses registou um aumento de 17,6% em 2020, face ao verificado em igual período de 2019, segundo os dados do Barómetro da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED) revelados esta terça-feira, 30 de março.

Analisando as outras categorias, o bazar ligeiro, onde estão inseridos produtos de bricolage ou decoração para a casa verificou uma subida de 16,6%, mercearia com 11,6%, perecíveis 11,5%, bebidas com 10,9%, laticínios 5,7% e produtos de higiene e limpeza com 4,2%.

O confinamento da população levou também a uma maior procura pela aquisição de bens de equipamento para a habitação, com destaque para os produtos relacionados com a informática que apresentaram o maior crescimento no número total de vendas, passando dos 545 milhões de 2019, para os 671 milhões em 2020, numa subida homóloga de 23,1%, sobressaindo os computadores com um aumento de 31,1%, num volume total de vendas de 333.725 mil euros.

Os pequenos e grandes eletrodomésticos com crescimentos homólogos de 20,1% e 12,9%, respetivamente foram outros dos equipamentos mais procurados. Destaque para os aspiradores que verificaram um volume de vendas total de 76.979 mil euros, o que representou uma subida homóloga de 29,4%.

Em sentido contrário, os produtos menos vendidos no último ano foram os livros que tiveram uma descida homóloga de 16,6%, registando um volume total de vendas de 128.642 mil euros. A maior quebra foi no entanto verificada no segmento de vestuário, que apresentou uma quebra homóloga de 32,5%, num volume total de vendas de 1,4 milhões de euros.

O retalho especializado em Portugal registou uma descida de 17,7% no seu volume total de vendas em 2020, face ao verificado no período homólogo do ano anterior. O volume total de vendas caiu dos 8.545 milhões para os 7.032 milhões. Outra área que cresceu devido ao teletrabalho foi o e-commerce, que no retalho alimentar subiu 3% e no retalho especializado 14,9%.

Ler mais
Relacionadas

Retalho especializado registou quebra de 17,7% nas vendas em 2020

O número total de vendas caiu dos 8.545 milhões para os 7.032 milhões. Por outro lado, os bens de equipamentos registaram um crescimento de 10,3% face ao período homólogo de 2019, segundo os dados hoje divulgados pela APED.
Recomendadas

DECO junta-se ao REFIL para incentivar reutilização de embalagens

Apesar de já se encontrar previsto o comércio de bebidas em embalagens reutilizáveis e de produtos a granel, os consumidores ainda não beneficiam de um mercado que lhes permita adquirir, nestes moldes, produtos de limpeza e higiene pessoal, forçando-os a optar por novas embalagens e aumentando, assim, a sua produção de resíduos, colocando em causa as metas portuguesas da sustentabilidade.

Fim da isenção de ISV para ligeiros de mercadorias recebida com desagrado pela ACAP

A Associação Automóvel de Portugal recebeu com desagrado o fim da isenção do Imposto sobre Veículos de mercadorias a partir de julho, medida que aumentará os custos em cerca de 3 mil euros, apenas em ISV.

Portugal com 6.º preço de gasolina mais caro da UE no primeiro trimestre

A carga fiscal aplicada em Portugal (63%) justificou integralmente a menor competitividade dos preços, tendo praticado um valor superior à média registada na UE (60%), em Espanha (55%), na Alemanha (61%) e na Bélgica (62%).
Comentários