Contas dos três grandes ‘à lupa’: quem menos perdeu com a pandemia? Veja o “Jogo Económico”

Ativos, passivos, receitas operacionais, dívidas com empréstimos, gastos com pessoal e muito mais. Nesta edição, vamos escrutinar as contas do primeiro semestre desta temporada das SADs de Benfica, FC Porto e Sporting e ainda perspetivar como será uma Liga com direitos televisivos centralizados.

Dos lucros de ‘águias’ e ‘dragões’ às perdas dos ‘leões’. Na semana em que foram publicadas as contas dos três grandes referentes ao primeiro semestre da atual temporada, o painel do Jogo Económico analisa os principais números e impactos da pandemia nas finanças de FC Porto SAD, Benfica SAD e Sporting SAD.

A aprovação do decreto que obriga os clubes da I e II Ligas a comercializarem os direitos televisivos de forma centralizada, vai também ser abordado pelo painel do programa, com a participação especial de João Fonseca, analista de negócio da FIFA. Será inevitável uma redução do valor do bolo? Que critérios devem ser privilegiados na distribuição das verbas? São questões que serão respondidas esta sexta-feira.

O programa ‘Jogo Económico’ é um espaço de debate sobre a economia do desporto da autoria e com a moderação de José Carlos Lourinho, editor do “Jornal Económico” e que conta com um painel de residente constituído por Shrikesh Laxmidas, diretor-adjunto do JE, Leonardo Ralha, subdiretor do JE, o redator principal do JE, João Marcelino e o economista e ex-futebolista Diogo Luís.

Recomendadas

SuperLiga Europeia: o que resta do terremoto que agitou o futebol europeu? Hoje há “Jogo Económico” com Miguel Poiares Maduro

Acompanhe o programa “Jogo Económico” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.

Paragem da Liga portuguesa a 10 jornadas do fim com impacto significativo nas SADs na época passada, estima EY

De acordo com a análise de Miguel Farinha, partner e líder de Strategy and Transactions da EY, que consta da quarta edição do Anuário do Futebol Profissional Português, produzido pela EY, numa parceria com a Liga Portugal, este valor “fica aquém da real dimensão da indústria, uma vez que não contempla impactos indiretos e induzidos”.

Diminuição de receitas no futebol português reduziu contribuição para o PIB na época passada para 494 milhões (com áudio)

Em comparação com a temporada de 2018/19, e de acordo com o anuário da Liga, a época passada trouxe uma quebra de 55 milhões de euros na contribuição do PIB, com a seguinte distribuição pelas três Ligas consideradas: Liga NOS (480 milhões); Liga Pro (9 milhões) e Liga Portugal (5 milhões).
Comentários