Coronavírus: CTT dizem que “fluxos de exportação e importação” para a China estão “abertos e sem interrupções”

A evolução da propagação do novo coronavírus (Covid-19) em Portugal tem levado as grandes empresas a tomar medidas de contingência. “Os CTT têm verificado uma redução da normalidade da atividade económica chinesa, devido ao abrandamento da economia local”, segundo a empresa. Os CTT são uma das maiores empresas empregadoras do país.

Presidente executivo dos CTT – Correios de Portugal, João Bento | Cristina Bernardo

A evolução da propagação do novo coronavírus (Covid-19) em Portugal tem levado as grandes empresas a tomar medidas de contingência. Os CTT – Correios de Portugal, que empregam em todo o país 12.097 pessoas, ao que o Jornal Económico apurou esta terça-feira, 10 de março,  está a acompanhar o tema e a seguir as recomendações das autoridades, “tendo realizado já várias comunicações a todos os trabalhadores”.

Fonte oficial da empresa não especificou se já foram ou ainda vão ser aplicadas medidas extra para proteger trabalhadores, mas indicou que a operação da empresa não está a ser afetada, ainda que se registe um abrandamento da atividade económica chinesa.

Segundo a mesma fonte, “os CTT têm verificado uma redução da normalidade da atividade económica chinesa, devido ao abrandamento da economia local, mas os fluxos de exportação e importação para a China estão abertos e sem interrupções”.

Apesar da propagação do Covid-19 por todo o mundo,  “os CTT registam um saldo positivo nos dados acumulados de janeiro e fevereiro em comparação com o mesmo período de 2019”.

De acordo com o último boletim epidemiológico da Direção-Geral de Saúde (DGS), emitido pelas 12h00, Portugal regista 41 casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus e um total de 375 casos suspeitos. A disseminação do Covid-19 levou a operadora postal a reforçar “o plano de contingência para eventuais situações de crise, de modo a garantir a continuidade e o nível de serviço da sua atividade”.

Relacionadas

Coronavírus: Empresas ficam a pagar 30% do ordenado dos trabalhadores enviados para casa em lay-off

A maior fatia do ordenado (70%) dos trabalhadores enviados para casa fica a cargo da Segurança Social. Medidas aprovadas pelo Governo também preveem a isenção de TSU, ou o adiamento do pagamento de obrigações fiscais.
Recomendadas

Salários da CGD aumentaram em 2019 com início de pagamento de bónus

Os salários da administração da CGD cresceram para 3,6 milhões de euros no ano passado, um aumento de 22,5% justificado com o início de um programa de pagamento de remunerações variáveis, que já estava previsto, revelou o banco.

Auditores aprovaram contas da Parpública de 2019 com uma ênfase por causa da Covid-19

“A situação de crise de saúde pública que se vive nesta data em Portugal e no mundo irá seguramente provocar impactos sobre toda a economia, e portanto também sobre todas as empresas participadas e sobre a holding, os quais, são, nesta data, ainda impossíveis de caracterizar e quantificar”, dizem os auditores das contas da dona de 72,5% da TAP e da recente nacionalizada Efacec.

BdP recomenda aos consumidores que atualizem os contactos junto do banco no processo de autenticação forte do cliente

Em comunicado, o BdP recomendou “aos consumidores que atualizem, até agosto, os seus contactos junto do seu banco/prestador de serviços de pagamento e que adiram às soluções de autenticação forte, idealmente até ao final de outubro, para continuarem a efetuar compras online com cartão”.
Comentários