Costa diz serão retiradas as “devidas consequências políticas” se vir trabalho feito em Odemira

O primeiro-ministro considerou, esta quarta-feira, que se, no início do próximo ano, regressar a Odemira e já observar trabalho feito para “habitação condigna” de trabalhadores agrícolas, isso significará que o Governo retirou “as devidas consequências políticas” da atual situação.

António Costa afirmou que o Governo terá “bons motivos” para poder dizer “com orgulho” que tirou “as devidas consequências políticas” da situação de Odemira, se, no início de 2022, voltar à vila para “ver já concluído este trabalho da habitação para trabalhadores sazonais” e a “avançar a execução dos trabalhos necessários para habitação condigna para todos os residentes”.

“Tirar as devidas consequências políticas de um problema é simplesmente uma coisa: é resolver o problema. Essas são as consequências políticas de quando há um problema”, sublinhou o chefe do Governo.

O primeiro-ministro discursa no Cineteatro Camacho Costa, em Odemira, distrito de Beja, depois de terem sido assinados acordos entre associações representativas de empresas agrícolas, câmara e Governo para a criação de condições habitacionais para trabalhadores agrícolas.

Esta manhã, em Caminha, no distrito de Viana do Alentejo, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou que é preciso retirar “muitas consequências políticas” do caso dos imigrantes de Odemira.

“Em relação a Odemira, acho que tem de retirar muitas consequências políticas. Tem de se fiscalizar para saber como é por respeito à legalidade, tem de se apurar se há ou não uma situação que convida àquilo que são atuações criminais, tem de se pensar a sério no problema dos imigrantes que estão cá dentro, que trabalham”, referiu.

Relacionadas

Odemira: Conselho de ministros aprova levantamento da cerca sanitária

O Conselho de Ministros aprovou o levantamento da cerca sanitária em Odemira a partir das 00:00 do dia 12 de maio.

Odemira: “Consideramos que pode ser levantada a cerca sanitária”, diz António Costa

“Nestes 15 dias tivemos uma evolução muito significativa da taxa de incidência e temos seguramente uma diminuição muito significativa do ritmo de transmissão”, justificou o primeiro-ministro.
Recomendadas

Presidente da República: “Comigo não vai haver” volta atrás no desconfinamento

O chefe de Estado defendeu que “o não voltar atrás exige às pessoas viverem à medida disso”, que, se querem que não se volte atrás, “têm que ter bom senso no respeito das regras sanitárias”, que aos eleitos para governar cabe decidir e aos especialistas “chamar a atenção para o juízo que as pessoas devem ter”.

PremiumNuno Palma: “O licenciado Pacheco Pereira é um académico falhado”

Na sequência da polémica levantada pela sua intervenção na Convenção do MEL, o professor da Universidade de Manchester Nuno Palma diz que “não há grande diferença entre Donald Trump e políticos como Pedro Marques, Ana Catarina Mendes, Miguel Costa Matos ou Pacheco Pereira”

Bloco de Esquerda ataca ministro do Ambiente e exige mudanças na regulação da extração mineira

Estas posições foram transmitidas pela coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, durante a apresentação do candidato bloquista à presidência da Câmara de Setúbal, Fernando Pinho, num discurso em que também criticou o executivo desta autarquia, de maioria CDU, de ser “centralista” e “aliado” do Governo em vários domínios.
Comentários