PremiumCotadas cumprem pouco as recomendações sobre partes relacionadas

Relatório de Monitorização do Código de Governo das Sociedades revela que as recomendações sobre negócios com partes relacionadas e a autoavaliação da administração estão entre as menos seguidas. Das 47 empresas emitentes há 32 que adotaram o Código de Governance.

A maioria das cotadas portuguesas cumpre com o Código de Governo das Sociedades e 78% das determinações desse código foram adotadas pelas sociedades emitentes, sendo 84% no caso das empresas cotadas que integram o PSI-20. Estas são as principais conclusões do Relatório Anual de Monitorização do Código de Governo das Sociedades (CGS), apresentado esta quinta-feira.

Já entre as recomendações menos seguidas estão as relacionadas com os negócios com partes relacionadas e as que se referem a avaliação anual do desempenho do órgão de administração e das suas comissões (no capítulo “Avaliação de Desempenho, Remunerações e Nomeações”). O motivo do fraco acolhimento destas recomendações consiste no facto de se tratarem de temas que vão passar a estar na lei e como tal os emitentes optaram esperar pela aprovação legislativa, explicou Pedro Maia, presidente da Comissão de Acompanhamento e Monitorização (CAM), ao Jornal Económico.

As recomendações relativas aos negócios com partes relacionadas e às avaliação de desempenho, remunerações e nomeações vão passar a lei com a transposição da diretiva dos acionistas, cujo anteprojecto de diploma de transposição da diretiva foi elaborado pelo Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, e foi objeto de consulta pública até novembro de 2018.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

CCP pede ao Governo para flexibilizar regime de férias

A confederação liderada por João Vieira Lopes propõe ainda “permitir, excecionalmente, que o pagamento do subsídio de férias não coincida com o gozo das férias e que este pagamento possa suceder até 31 de dezembro de 2020”.

Banco de Portugal prepara “proposta abrangente” para minimizar efeitos da pandemia de Covid-19

Questionada sobre a possibilidade de moratórias nos créditos a empresas e famílias afetadas pelos efeitos económicos da pandemia, fonte oficial do Banco de Portugal respondeu que haverá uma “proposta abrangente” para lidar com a situação causada pela Covid-19.

Empresas afetadas pelo Covid-19 poderão ter moratórias nos créditos

Medida está a ser discutida pelo Governo, supervisores e bancos. Em cima da mesa está a suspensão temporária do pagamento de créditos pelas empresas e particulares afetados pelos efeitos económicos do Covid-19. Faria de Oliveira diz que banca está pronta para contribuir para a minimização do impacto da pandemia.
Comentários