Covid-19: Madeira estima “impacto negativo” de 580 milhões de euros até setembro e mil milhões no final ano

As medidas de contenção da pandemia de covid-19 terão um “impacto negativo” na economia da Região Autónoma da Madeira superior a 580 milhões de euros até setembro, afirmou esta quarta-feira o vice-presidente do Governo regional.

Pedro Calado indicou também que, até ao final do ano, o impacto vai rondar os mil milhões de euros, razão pela qual a região pediu ao Governo da República a “suspensão imediata” das Lei das Finanças Regionais, mas ainda não obteve resposta.

“Sabemos que estamos num período de guerra sem armas e em períodos de guerra não podemos estar preocupados nem com deficits, nem com limites de endividamento, nem com contração de dívidas”, declarou.

O vice-presidente do Governo da Madeira falava em videoconferência, no Funchal, onde apresentou as principais medidas de apoio aos cidadãos e às empresas face à situação resultante da pandemia Covid-19, bem como os canais preferenciais de atendimento e comunicações online.

Pedro Calado enumerou e explicou um conjunto de medidas, já apresentado pelo chefe do executivo regional, de coligação PSD/CDS-PP, Miguel Albuquerque, no dia 22 de março, após uma reunião extraordinária do Conselho do Governo.

Entre as medidas constam a criação de uma linha de apoio específica para as empresas regionais no valor de 100 milhões de euros, a isenção do pagamento de rendas de habitação social e de mensalidades nos estabelecimentos de ensino e a suspensão temporária dos pagamentos dos planos prestacionais de dívidas à segurança social.

“Neste momento, há que segurar os postos de trabalho das empresas e é nisso que vamos continuar a estar focados, sobretudo porque queremos que em setembro, ou a partir do segundo semestre deste ano, o relançamento económico se faça muito rapidamente”, disse Pedro Calado.

O governante vincou, por isso, que é fundamental suspender a Lei das Finanças Regionais, para permitir que a região recorra ao endividamento no mercado financeiro.

“Essa suspensão é para permitir à região ter mecanismos de apoio semelhantes àqueles que os países também têm e que, neste momento, estão a adotar”, sublinhou, lamentando o facto de o executivo regional estar impedido, “até ao dia de hoje”, de contrair empréstimos para acorrer às “situações excecionais” geradas pela pandemia de covid-19.

Pedro Calado disse, por outro lado, que a região apresentou superavits orçamentais durante sete anos consecutivos, sendo o último, referente a 2019, de 38 milhões de euros.

“Temos condições económicas e financeiras para ir ao mercado financeiro pedir apoio extraordinário e fazer com que esse apoio reverta de uma forma direta no apoio aos cidadãos e às empresas”, reforçou.

O vice-presidente apelou aos empresários madeirenses para que recorram também aos apoios ao nível nacional e não apenas aos definidos pelo governo regional, onde se destaca uma linha de crédito, num montante até 100 milhões de euros, com uma bonificação de taxa de juro de 0% com carência de capital de 12 meses, que vai estar operacional dentro de 15 dias.

A isenção do pagamento de mensalidades nas creches e pré-escolar da região terá um impacto de três milhões de euros e abrange um universo de cerca de 15.000 alunos, ao passo que as 18.000 pessoas e 89 empresas e associações que não vão pagar rendas sociais nos próximos meses representa um impacto superior a 1,2 milhões de euros.

Entre as várias medidas do governo regional face à pandemia de covid-19, consta a criação de um fundo de emergência para apoio social, no montante de cinco milhões de euros, bem como um reforço de 500 mil euros dos apoios a famílias carenciadas, nomeadamente em alimentação e medicamentos.

O governo decretou também a isenção do pagamento do consumo de eletricidade entre os dias 16 e 31 de março, medida que abrande 130.000 clientes da Empresa de Eletricidade da Madeira e representa um impacto de cinco milhões de euros.

A nível do consumo de água, haverá uma redução de 50% nos meses de março e abril, o que traduz um impacto orçamental de 1,1 milhões de euros.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 428 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 19.000.

Em Portugal, há 43 mortes, mais 10 do que na véspera (+30,3%), e 2.995 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que regista 633 novos casos em relação a terça-feira (+26,8%).

No arquipélago da Madeira, o Instituto de Administração da Saúde (IASAÚDE) atualizou hoje para 20 o número de infetados, mais quatro do que na terça-feira.

Ler mais

Recomendadas

Portugal com 167 casos de infeção e uma morte por Covid-19

Região de Lisboa e Vale do Tejo regista o número mais elevado de infeções ao dia de hoje, tendo confirmado mais 116 casos em relação aos dados da véspera. O número de casos recuperados em Portugal aumentou para 37.565.

EUA esperavam 1,5 milhões novos empregos em julho. Foram criados apenas 167 mil

Número fica bem abaixo dos 1,5 milhões de novos empregos que os especialistas apontavam para este período nos EUA.

Vendas de retalho aumentam 5,7% na zona euro em junho

“Isto significa que o volume de trocas no retalho, em ambas as zonas, retomaram a níveis registados em fevereiro de 2020, antes do início das medidas de confinamento”, sustenta o Eurostat após o retalho observar aumentos pelo segundo mês consecutivo.
Comentários