Covax entregou mais de 38 milhões de vacinas em 100 países

A plataforma global de distribuição de vacinas contra a Covid-19 prevê entregar as doses a todas as economias que as pediram ainda no primeiro semestre de 2021.

A plataforma global Covax (Acesso Global às Vacinas da Covid-19) distribuiu quase 38,4 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 para mais de 100 países de seis continentes até esta quinta-feira.

Seis semanas depois de arrancar a distribuição de fármacos, a Organização Mundial de Saúde (OMS) informou que, apesar de ter sido negativamente impactada pela redução da oferta em março e abril e pela procura demanda na Índia – onde grande parte da injeção da AstraZeneca é feita – a Covax prevê entregar as doses a todas as economias que as pediram ainda no primeiro semestre de 2021.

“Mas ainda enfrentamos um desafio assustador, pois tentamos pôs fim a este estado agudo da pandemia: só estaremos seguros quando todos estiverem seguros e os nossos esforços para acelerar rapidamente o volume das doses depende do apoio contínuo dos governos e dos fabricantes de vacinas. À medida que continuamos com o maior e mais rápido lançamento global de vacinas da história, não é hora para complacências”, alertou o CEO da aliança de vacinas GAVI, Seth Berkley, CEO of Gavi.

A Covax, organizada pela OMS e financiada por doadores privados e pelos países mais ricos, tem como objetivo garantir que todos tenham acesso à vacinação e distribuir dois mil milhões de doses em 2021, particularmente nos países mais pobres, e imunizar 27% dos seus cidadãos. O portefólio de vacinas é atualmente composto pelas da Pfizer/BioNTech e AstraZeneca

Recomendadas

Covid-19 ameaça posição destacada de Cabo Verde

Escassez de recursos minerais e de solos aráveis não impediu forte crescimento económico baseado nos serviços e sobretudo no turismo.

Governo de Angola quer silenciar Record e Vida TV, acusa sindicato

A rede Record é detida pela Igreja Universal do Reino de Deus, cuja liderança tem sido disputada em Angola pela liderança brasileira e angolana, recentemente legitimada pelo governo, tem divulgado várias reportagens críticas do governo, afirmando que os religiosos brasileiros são alvo de xenofobia em Angola.

Cabo Verde reforça fiscalização ao uso de máscara e descarta estado de emergência

“Nós verificamos que tem havido um certo relaxamento relativamente a esta matéria, nos serviços públicos e privados de atendimento, vamos fazer uma ação proativa, pedagógica, mas também com alguma determinação, para que possamos fazer novamente o uso de máscaras, evitar muitas aglomerações”, disse Ulisses Correia e Silva.
Comentários