CP paga táxis e autocarros para passageiros conseguirem apanhar ligações em comboios

Mesmo com os novos horários iniciados já este mês, para ajustar a oferta à escassez de material circulante para melhorar o serviço prestado, não houve melhorias.

Rafael Marchante/Reuters

A CP – Comboios de Portugal está a transportar passageiros através de táxis e autocarros, para que consigam apanhar ligações aos comboios alfa pendulares e intercidades, noticia o “Correio da Manhã”, na sua edição desta sexta-feira, 10 de agosto.

O jornal cita responsáveis pela Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans) e do Sindicato Ferroviário da Revisão Comercial Itinerante (SFRCI), alertando que este tipo de situações se regista nas linhas do Algarve, Alentejo e Oeste.

A CP tem estado sob pressão devido às falhas no serviço que presta, registando-se avarias, atrasos e supressões.

Mesmo com os novos horários iniciados já este mês, para ajustar a oferta à escassez de material circulante para melhorar o serviço prestado, não houve melhorias.

Esta semana, foram suprimidos na linha do Algarve nove comboios, sendo que em dois destes casos a CP não disponibilizou autocarros aos passageiros, que tiveram de permanecer nas estações sem terem qualquer tipo de informação para alternativas de viagem.

O mesmo cenário repetiu-se no Alentejo, com seis comboios suprimidos na segunda-feira, dia 6 de agosto.

Na terça-feira, a CP registou atrasos em 290 comboios num total de 52 horas, com 59% a terem origem em problemas com o material circulante e 15% em infraestruturas.

Ao nível das supressõess estes três primeiros dias dos novos horários da transportadora ferroviária pública afetaram 30 comboios, que acumularam um atraso de cerca de dez horas.

Ler mais
Relacionadas

Novos horários da CP não evitam mais atrasos, avarias e supressões

Três dias depois da entrada em vigor da medida que pretende ajustar a oferta à escassez de material circulante para melhorar o serviço prestado houve pelo menos, nove supressões no Algarve e seis no Alentejo.

Dos 44 milhões orçamentados para investimento, CP só gastou ainda um décimo

Empresa pública dispendeu 4,7 milhões de euros até junho, o que corresponde a 10,6% da verba prevista no Orçamento do Estado. No último ano o valor para investimento foi de 19 milhões, mas a CP somente usou 27% dessa verba.

Comunistas prometem confrontar ministro e presidente da CP sobre “rutura” da ferrovia

Na nota, os comunistas referem que os problemas que têm vindo a ser noticiados são “a evidência de uma situação que o PCP há muito tem denunciado”.
Recomendadas

Mota-Engil acusada de não pagar a empresas sub-contratadas na Colômbia

O tema é alvo de notícias nos media colombianos. Mas a Mota-Engil esclarece que são dívidas de subempreiteiros para com funcionários que “erradamente” estão a imputar à empresa enquanto empreiteiro geral. Pois “não têm qualquer relação contratual com a Mota-Engil, que sempre cumpriu as suas responsabilidades”.

António Sá da Costa nega existência de “rendas excessivas na eletricidade renovável”

Em audição na Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade, o presidente da APREN defendeu que “os investimentos na eletricidade renovável trouxeram grandes benefícios para a economia e para o cidadão”.

BCE aprova administradores do Banco Santander Totta

“Com esta decisão, a totalidade dos membros propostos para o Conselho de Administração e a respetiva Comissão Executiva entra de imediato em funções plenas”, diz o banco agora liderado por Pedro Castro e Almeida.
Comentários