PremiumCuidados intensivos são última fronteira para a reabertura

Forte descida no número de infetados e de óbitos reflete-se de forma lenta nos casos mais graves e impõe “ponderação e prudência” ao Governo.

Com o número de novos casos diários de infeção pelo novo coronavírus quase abaixo da barreira dos mil (foram registados 1.160 nesta quinta-feira) e o de internamentos a menos de metade do valor de há um mês, é na ocupação das unidades de cuidados intensivos dedicadas a doentes de Covid-19 que reside um dos principais travões ao desconfinamento. Tal foi reconhecido por peritos na última apresentação da situação epidemiológica realizada no Infarmed na segunda-feira, e ontem reforçado por Marta Temido.

“Há muito caminho para fazer”, disse a ministra da Saúde no debate sobre a aplicação do período do estado de emergência anterior ao que agora vigora, e que abrangeu a realização das eleições presidenciais, enumerando números marcantes da evolução da pandemia de em Portugal. Mais precisamente os 106 novos casos e inéditos zero óbitos registados a 2 de agosto, os 270 internados a 22 do mesmo mês, e sobretudo os 29 doentes que se encontravam em cuidados intensivos a 9 de agosto.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Movimento ‘Save the Travel Industry’ escolhe o Algarve para mostrar que é possível viajar em segurança

Com este propósito, seis representantes de reconhecidas agências de viagens do mercado alemão, que integram este movimento, estão na região do Algarve durante uma semana, de 18 até ao próximo dia 25 de abril.

Bruxelas admite levar AstraZeneca à justiça e não renovar contrato por falhas

O comissário europeu da Justiça disse hoje, em entrevista à Lusa, que Bruxelas equaciona um processo judicial contra a farmacêutica AstraZeneca, por entregas de vacinas anticovid-19 atrasadas e abaixo do contratualizado, admitindo também não firmar novo contrato.

Alemanha negoceia compra de 30 milhões de doses da vacina russa para o verão

A aquisição foi confirmada pelo ministro da Saúde russo, Mikhail Murashko, que anunciou, na rede social Twitter, que o governo alemão “está a negociar a compra de três remessas de 10 milhões de doses em junho, julho e agosto”.
Comentários