Daimler vai gastar 20 mil milhões de euros em baterias para veículos elétricos

A construtora alemã e dona da Mercedes-Benz pretende disponibilizar 130 carros elétricos e híbridos até 2022, não tendo especificado a que empresas irá comprar as baterias.

Mercedes-Benz

A construtora alemã de carros de luxo Daimler, e dona da Mercedes-Benz, vai gastar 20 mil milhões de euros até 2030, em baterias para veículos elétricos, numa altura em que se prepara para realizar a produção em massa de veículos híbridos e elétricos, revela a agência “Reuters” esta terça-feira.

“Com a compra de baterias por mais de 20 mil milhões de euros, estamos sistematicamente a avançar com a transformação no futuro elétrico da nossa empresa”, afirmou o presidente-executivo Dieter Zetsche em comunicado.

A Mercedes-Benz Cars pretende oferecer 130 veículos elétricos e híbridos até 2022, além de fazer carrinhas elétricas, autocarros e camiões. A construtora não especificou quais empresas a que vai comprar as baterias.

Recomendadas

Covid-19. Turismo de Portugal vai comparticipar descontos na restauração e alojamento

O Governo vai lançar um esquema de comparticipação pública aos operadores dos setores da restauração, alojamento, transportes e cultura, que ofereçam descontos aos clientes, disse hoje o ministro de Estado, da Economia e Transição Digital, Pedro Siza Vieira.

Número de passageiros transportados pela TAP diminuiu 62% no primeiro semestre

“A TAP atuou com agilidade e rapidez aos primeiros sinais de impacto da pandemia, adequando a capacidade ao novo cenário de procura e minimizando assim os custos operacionais com o objetivo de preservação de caixa”, comentou a companhia, no documento em que demonstrou um prejuízo de 582 milhões de euros no primeiro semestre.

TAP: Plano de reestruturação será apresentado a Bruxelas até 10 de dezembro

O plano visa “assegurar a sustentabilidade e rentabilidade da TAP, através de um adequado planeamento de rotas e frota, da adaptação do produto TAP à realidade atual e pós Covid-19, e do aumento da eficácia e da eficiência dos serviços centrais e das unidades do Grupo TAP”, refere a companhia, que registou um prejuízo de 582 milhões de euros no primeiro semestre.
Comentários