Dalai Lama e outros 100 vencedores de Nobel pedem fim do uso de combustíveis fósseis

A iniciativa surge na véspera do Dia da Terra deste ano, que contará com uma cimeira promovida pelo presidente Biden. Os signatários relembram que o Acordo de Paris, apesar de fundamental para conter as alterações climáticas, não menciona estes recursos, que constituem a principal origem da poluição no planeta.

Dalai Lama

O Dalai Lama lidera um apelo de 101 vencedores do Prémio Nobel aos líderes mundiais para que se acabe com a exploração de combustíveis fósseis, nomeadamente o petróleo, gás e carvão. O pedido é feito numa carta aberta divulgada esta quarta-feira, a véspera de mais um Dia da Terra, que este ano contará com uma cimeira virtual sobre o clima organizada pelo presidente Biden.

O documento refere que o uso destes combustíveis é “de longe o maior contributo para as alterações climáticas”, pelo que os seus signatários urgem os líderes globais a “evitar uma catástrofe” ao acabar com o uso dos mesmos.

“Há já demasiado tempo que os governos têm ficado chocantemente para trás no cumprimento do que a ciência pede e do um movimento popular crescente e poderoso já sabe: é precisa uma ação urgente para travar a expansão da produção de combustíveis fósseis, eliminar a atual produção aos poucos e investir em energias renováveis”, pode-se ler na carta aberta.

O apelo relembra ainda os objetivos traçados no Acordo de Paris, que visa limitar o aumento da temperatura média do planeta até um máximo de 1,5ºC, de forma a conter os efeitos das alterações climáticas. Reforçando a importância de cumprir tal meta, a carta ressalva que não existe qualquer menção no Acordo aos combustíveis fósseis, o que poderá minar o projeto, especialmente considerando a projeção das Nações Unidas de que “mais 120% de petróleo, gás natural e cavão serão produzidos até 2030 do que [o nível] consistente com limitar um aumento de temperatura a 1,5ºC”.

A carta é assinada por vários laureados de renome além do Dalai Lama, dos quais se destacam Juan Manuel Santos, antigo presidente da Colômbia e Nobel da Paz em 2016, José Ramos-Horta, antigo presidente de Timor-Leste e Nobel da Paz em 1996, e o seu colaureado, o bispo Carlos Ximenes Belo, bem como antigos distinguidos de todas as áreas premiadas pela Academia sueca.

Recomendadas

Final da Liga dos Campeões poderá resultar na emissão de mais de cinco mil toneladas de GEE

A estimativa foi feita com base na previsão de que 12 mil passageiros, em classe económica, farão uma viagem de ida e volta entre os aeroportos de Londres Heathrow-Porto e Manchester-Porto. Isto sem contar com a deslocação entre as próprias equipas e convidados.

25 cidades portuguesas estão preparadas para atenuar danos das alterações climáticas

As cidades dos municípios de Águeda, Amarante, Braga, Fafe, Guimarães, Ovar, Valongo, Viseu, Funchal, Loulé, Barreiro, Cascais, Lisboa, Mafra, Sintra e Torres Vedras fazem parte do total das 148 cidades europeias que assumem boas práticas para atenuar os efeitos das alterações climáticas.

Estudo alerta para incumprimento da Convenção sobre a Diversidade Biológica por países ricos

Esta investigação dedicou-se a analisar as principais causas da perda de biodiversidade mundial e concluiu que é necessária uma “reorganização urgente e profunda” da economia global pós-pandemia da covid-19 para evitar mais danos ambientais.
Comentários