Defeitos na construção: o consumidor tem direitos ou tem de viver com a desilusão?

Após a comunicação dos defeitos, pode exigir que estes sejam reparados ou, se tal não for possível, pode até pedir uma nova construção. Se nenhuma destas soluções for acatada pelo vendedor, ainda, poderá exigir uma redução do preço da casa ou até a resolução do contrato e a devolução das quantias pagas. Esta última hipótese só poderá ser avaliada se habitar a casa for totalmente impossível.

Casa nova com defeitos é uma reclamação frequente. Aquando das visitas à nova casa, raramente os consumidores detetam os defeitos que, meses mais tarde, assombrarão as suas vidas. Falamos de fissuras nas paredes, ladrilhos rachados, humidade nos tetos e paredes, instalações sanitárias com mau funcionamento, soalho e portas empenadas. Enfim, muitos aborrecimentos e desilusões.

Mas o consumidor tem direitos! Todas as casas novas têm um prazo de garantia de 5 anos, a contar a partir da data da compra. Logo, perante estas situações o consumidor pode e deve acionar a garantia da casa.

Depois de o defeito ou defeitos serem observados, os consumidores têm um ano para informar o vendedor da situação. Essa comunicação ao construtor ou vendedor deve ser feita por escrito, através de carta registada, com aviso de receção. Só desta forma, ficará com a prova de que denunciou os defeitos encontrados na casa e assim vinculará o vendedor à obrigação legal de efetuar a reparação. Nesta carta há que estabelecer um prazo para que a reparação seja executada.

Após a comunicação dos defeitos, pode exigir que estes sejam reparados ou, se tal não for possível, pode até pedir uma nova construção. Se nenhuma destas soluções for acatada pelo vendedor, ainda, poderá exigir uma redução do preço da casa ou até a resolução do contrato e a devolução das quantias pagas. Esta última hipótese só poderá ser avaliada se habitar a casa for totalmente impossível.

Se o vendedor não reparar os defeitos, a situação tornar-se-á mais complicada, pois é necessário recorrer ao tribunal. A ação deve ser instaurada no tribunal antes do prazo de 3 anos a contar da comunicação do defeito. Este prazo não pode ser ultrapassado, sob pena do vendedor ficar livre da sua obrigação de arranjar os defeitos de construção.

Informe-se connosco.

A DECO MADEIRA está à sua espera na Loja do Munícipe do Caniço; Rua Doutor Francisco Peres; 9125 – 035 Caniço; deco.madeira@deco.pt

Ler mais
Recomendadas

Prepare a carteira. Vem aí (mais) um aumento nos combustíveis

A partir de segunda-feira, os combustíveis ficam novamente mais caros. Aumento é maior na gasolina, tanto nas cadeias de marca branca, como nas principais gasolineiras.

Dia da Propriedade Intelectual: Criei uma marca. O que posso fazer para a registar?

Os advogados do departamento de TMT & Propriedade Intelectual da sociedade CCA explicam o que fazer para registar uma marca. O primeiro passo? Verificar se preenche determinados requisitos para que o seu registo seja concedido. Comemora-se esta sexta-feira o Dia Mundial da Propriedade Intelectual.

Insolvência: o que é? como funciona? e quais são as obrigações do devedor?

Muitos são os consumidores que recorrem ao processo de insolvência como a última oportunidade de reequilíbrio da sua vida financeira, nomeadamente quando o valor das dívidas ultrapassa largamente o património/rendimentos que possuem não sendo possível cumprir com o seu pagamento
Comentários