Défice da balança de bens e serviços aumenta nos primeiros três meses do ano

Em comparação com o período homólogo, verifica-se que o défice do saldo acumulado das balanças aumentou, sendo que em 2018 o valor fixou-se nos 78 milhões de euros.

O défice da balança de bens aumentou 1.245 milhões de euros enquanto que o da balança de serviços cresceu para 32 milhões de euros, escreve o Banco de Portugal, esta terça-feira.

Até março de 2019, o saldo conjunto das balanças corrente e de capital fixou-se em menos 1.231 milhões de euros, comparativamente ao défice de 78 milhões de euros em igual período de 2018, sendo que “para esta evolução contribuíram, sobretudo, a balança de bens e a balança de rendimento primário”, lê-se na nota.

Segundo os dados do BdP, relativamente às estatísticas da balança de pagamentos relativas a março de 2019, nos primeiros três meses do ano, as exportações de bens e serviços cresceram 4,8% e as importações aumentaram 10,5%.

O défice da balança de rendimento primário aumentou 113 milhões de euros relativamente ao período homólogo, para 492 milhões de euros. Esta variação resultou da diminuição dos rendimentos recebidos do exterior, que foi parcialmente compensada pela diminuição dos juros pagos a entidades não residentes.

Até março de 2019, o saldo da balança financeira registou uma redução dos ativos líquidos de Portugal face ao exterior de 666 milhões de euros.

Recomendadas

Confiança dos consumidores volta a aumentar em junho

O saldo das expectativas relativas à evolução da situação económica do país aumentou em junho, após ter diminuído ligeiramente no mês precedente, revela esta quinta-feira o INE.

Igreja quer transformar antigos seminários em residências universitárias

Segundo o secretário de Estado do Ensino Superior, o objetivo é dar resposta “imediata e robusta, logo no início do próximo ano letivo”, revelando a impossibilidade de ter 12 mil camas novas já em setembro.

Joana Marques Vidal fala segunda-feira na SEDES sobre “a corrupção e autonomia do Ministério Público”

O evento enquadra-se no Ciclo de Debates “Ao fim de tarde na SEDES com quem sabe”, do qual o Jornal Económico é ‘media partner’. Na palestra, anterior, que decorreu a 24 de junho, o antigo Presidente da República, Ramalho Eanes, alertou que a corrupção “grassa pela sociedade”.
Comentários