Eurostat confirma o défice mais baixo de sempre da democracia portuguesa

O défice orçamental de Portugal é uma décima inferior à média dos défices dos países da UE, segundo o Eurostat.

Cristina Bernardo

O défice das contas públicas portuguesas é de 0,5%, em 2018, em linha com a média da zona euro, confirmou o Eurostat esta terça-feira, 23 de abril, revelando ainda que há 12 países com um maior desequilíbrio do que Portugal. O défice de 2018 é o mais baixo de sempre em democracia.

O gabinete de estatísticas da União Europeia (UE) confirmou os dados enviados pelo Instituto Nacional de Estatistica (INE), em março. O défice de Portugal é uma décima inferior à média dos défices dos países da UE. No último ano, somente dez países conseguiram ter um saldo positivo nas contas públicas.

A confirmação de um défice de 0,5% supera a meta de 0,7% definida pelo ministro das Finanças, Mário Centeno, e fica abaixo dos 3% registados em 2017 – um valor justificado, então, pelo aumento de capital na Caixa Geral de Depósitos (sem a injeção de capital no banco público, nesse ano o valor teria sido de 0,92%). O Eurostat, também a primeira estimativa para o valor da dívida em 2018 foi validado, nos 121,5% do PIB.

Em 26 de março, o INE deu razão ao Governo para sorrir, depois de ter revisto em baixa o rácio inscrito no Orçamento do Estado para 2018 (OE2018) no Programa de Estabilidade, em abril de 2018, de 1,1% do PIB para 0,7%.

Numa audição na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, Mário Centeno já tinha admitido que o défice se deveria ter fixado “em torno de 0,6%”. A confirmação ligeiramente abaixo chegou no final de março, com a primeira notificação de 2019 relativa ao procedimento por défice excessivo, que o INE enviou ao Eurostat.

“Em 2018 a necessidade de financiamento das Administrações Públicas (AP) atingiu 912,8 milhões de euros, o que correspondeu a 0,5% do PIB (3,0% em 2017)”, lia-se nos dados do INE.

Considerando os dados na óptica da contabilidade pública, o relatório do INE refere que o saldo orçamental “apresenta uma melhoria menos expressiva em 2018”. “A melhoria do saldo em 2018 foi sobretudo determinada pelo aumento da receita corrente, particularmente da receita fiscal e das contribuições para a segurança social, refletindo a evolução da atividade económica e do emprego”.

 

 

 

Ler mais

Recomendadas

Covid-19: ‘Chef’ Vítor Sobral vai “acender uma velinha a Nossa Senhora de Fátima” para pagar salários

O Grupo Quina emprega cerca de 120 funcionários. Dois restaurantes foram encerrados, outros dois estão a funcionar em regime de ‘take away’, assim como as padarias. Vítor Sobral garante salários neste mês de março, mas não sabe como será no mês de abril.

“Queremos estar na linha da frente para relançar a economia nacional”, assegura vice-presidente da IP

Segundo os dados mais recentes fornecidos pela gestora da rede ferroviária nacional ao Jornal Económico, 63% das obras previstas no pano Ferrovia 2020 estão em andamento ou já foram finalizadas, um aumento face aos 52% neste estado que se verificavam em fevereiro deste ano. Estão mais de 800 milhões de euros em obra.

CGTP considera que apoios às empresas e famílias negligenciam “questões essenciais”

“A procura interna e o consumo das famílias, não só no atual período, como na fase que se vai seguir, serão determinantes para relançar a economia, promover emprego e assegurar que os bens e serviços das empresas são vendidos”, sustenta a intersindical.
Comentários