Denis Mukwege e Nadia Murad vencem Prémio Nobel da Paz

O anúncio da atribuição do prestigiado prémio ao médico e à ativista foi feito esta manhã de sexta-feira: “Nadia é uma das cerca de 3.000 raparigas e mulheres yazidis que foram vítimas de violação e de outros abusos do exército do Estado Islâmico”. “Denis condenou repetidamente a impunidade pela violação em massa e criticou o governo congolês”.

O médico Denis Mukwege e a ativista Nadia Murad venceram o Prémio Nobel da Paz de 2018. O comité norueguês do Nobel distinguiu estas duas personalidades pelo seu trabalho em pôr fim à violência sexual “como arma de guerra e conflito armado”.

O anúncio da atribuição do prestigiado prémio foi feito esta manhã de sexta-feira, 5 de outubro. Segundo o corpo de responsáveis pela escolha dos galardoados, Denis Mukwege tem um princípio básico de vida: “A justiça é um assunto de todos”. O comité considera o cirurgião e presidente da Panzi Foundation um “símbolo importante e unificador, tanto nacional como internacionalmente”.

Denis Mukwege condenou repetidamente a impunidade pela violação em massa e criticou o governo congolês e outros países por não fazerem o suficiente para impedir o uso da violência sexual contra as mulheres como estratégia e arma de guerra.

A iraquiana Nadia Murad Basee Taha, ativista pelos direitos humanos yazidi, é considerada pelos porta-vozes do Nobel uma testemunha de abusos contra si e contra os outros. “Demonstrou uma coragem incomum ao relatar os seus próprios sofrimentos e  aofalar em nome de outras vítimas”, refere, sobre a primeira Embaixadora da Boa Vontade para a Dignidade dos Sobreviventes de Tráfico Humano da Organização das Nações Unidas.

Nadia Murad é uma das cerca de 3.000 raparigas e mulheres yazidis que foram vítimas de violação e de outros abusos do exército do Estado Islâmico. Os abusos foram sistemáticos e fizeram parte de uma estratégia militar. Serviram como uma arma na luta contra os yazidis e outras minorias religiosas.

Prémio Nobel da Paz: Os maiores equívocos ou controvérsias da lista de vencedores

Notícia atualizada às 10h26

Ler mais
Relacionadas

Prémio Nobel da Paz: Os maiores equívocos ou controvérsias da lista de vencedores

A presença de Donald Trump na lista de candidatos ao Prémio Nobel da Paz em 2018 está a gerar perplexidade, mas ao longo da história destacam-se vários exemplos de atribuição equivocada ou controversa do galardão. O qual nunca distinguiu, por exemplo, Mahatma Gandhi, líder do movimento de independência da Índia e precursor da desobediência civil não-violenta.

Prémio Nobel da Paz debate alterações climáticas em Cascais

Além de Rajendra Pachauri, a conferência prevista para hoje contará com a presença do secretário de Estado do Ambiente, José Mendes.

Disparidade de género nos Prémios Nobel: Desde 1901 foram laureados 844 homens e 48 mulheres

Hoje foi atribuído o Prémio Nobel da Física a três cientistas, entre os quais uma mulher, algo que não acontecia há 55 anos. A última mulher que tinha ganho o Prémio Nobel da Física, Maria Goeppert-Mayer, em 1963, não era paga pelo trabalho que realizava e foi identificada na altura por vários jornais como “uma mãe de San Diego”.
Recomendadas

Ainda não sabe onde passar a passagem de ano? Aproveite estas viagens ‘lowcost’

Se ainda não tem planos para a passagem ano, considere estas viagens económicas para uma entrada em 2019 com muita festa (e sem precisar de esvaziar a carteira).

Já comprou os presentes de Natal? Eis algumas sugestões

Da prenda mais clássica à mais inesperada, o Natal quer-se eclético, bem disposto, colorido e, acima de tudo, passado com quem mais gostamos. A redação do Jornal Económico escolheu brinquedos, relógios, perfumes entre outras lembranças. Aproveite as sugestões e Boas Festas!
Comentários