Desafio número um para Portugal? O peso da dívida, um dos maiores no mundo, avisa a Moody’s

A agência de notação sublinha, no entanto, que o rácio da dívida continuaria a descer mesmo em caso de choques negativos externos nas áreas do crescimento, política orçamental, taxas de juro ou câmbio.as perspetivas de crescimento económico do país são “moderadas”.

A redução significativa do endividamento da economia portuguesa deverá continuar mesmo em caso de choques externos, mas o peso da dívida permance o principal desafio, pois é um dos maiores no mundo, afirmou esta quinta-feira Sarah Carlson, senior vice-president do Sovereign Risk Group da Moody’s.

“Quais são os desafios? Número um na lista é claramente o tamanho da dívida”, disse a responsável da agência de notação, numa conferência em Lisboa.”É um dos maiores fardos de dívida no nosso universo de análise de ratings, e isso constitui ainda um desafio material”.

Segundo o Orçamento do Estado para 2020 aprovado pelo Parlamento na semana passada, o peso da dívida pública deverá descer para 116,2% em do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020, de 119,3% em 2019.

Sarah Carlson explicou que quando analisa o risco de crédito de soberanos conduz stress tests, para availar o impacto na descida da dívida no caso de choques externos nas áreas do crescimento, política orçamental, taxas de juro, câmbio ou uma combinação destes fatores.

“E o que vemos é que em todos estes cenários, à excepção do mais duro, o choque combinado, o peso da dívida continua a cair”, sublinhou. “No caso de um choque ao crescimento caí de forma um bocado mais lenta do que anteriormente, mas continua a cair, e mesmo no choque combinado a dívida fica mais ou menos onde está”.

A Moody’s tem a notação da dívida soberana portuguesa em Baa3, com perspetiva positiva, ou seja no primeiro patamar de grau de investimento e um nível abaixos dos ratings atribuídos pela Standard & Poor’s e pela Fitch, de BBB.

Sarah Carlson explicou que a Moody’s atribui o outlook positivo a Portugal devido aos níveis de riqueza e diversificação da economia, às reformas estruturais implementadas desde o pedido de resgate financeiro em 2011 e à força das instituições de permitiu essa implementação.

A responsável explicou que a agência vê as perspetivas de crescimento económico do país como “moderadas”, mas adiantou que a Moody’s antevê um excedente orçamental este ano, de 0,1%, o que compara com os 0,2% projectados pelo Governo no Orçamento do Estado.

“Portugal é um país no qual a convergência de rendimentos ainda está a acontecer e as perspectivas de crescimento são moderadas, dado onde está em relação aos vizinhos em termos de níveis de rendimentos”, sublinhou.

[Atualizada às 10h16]

Ler mais

Relacionadas

Moody’s mantém ‘rating’ de Portugal inalterado

Agência norte-americana não se pronunciou sobre a notação da dívida soberana portuguesa, que se mantém em ‘Baa3’ e perspetiva ‘positiva’. Tal como na primeira avaliação do ano passado, a Moody’s atualizou apenas o calendário indicativo da próxima avaliação, marcada para 17 de julho.

Fitch: “postura de Centeno faz com que Portugal se distinga em relação a Itália ou até a Espanha”

Michele Napolitano, ‘senior diretor’ da Fitch e responsável pela análise do risco da dívida portuguesa, disse que o ministro das Finanças, Mário Centeno, traz prudência à política orçamental de Portugal.

Fitch está “confiante” na redução da dívida portuguesa e sinaliza melhoria no ‘rating’

Michele Napolitano, ‘senior diretor’ da Fitch e responsável pela análise do risco da dívida portuguesa destacou a “resiliência da economia portuguesa” e também a redução da dívida, que “deverá cair a um ritmo mais acelerado nos próximos anos”.
Recomendadas

Apritel observa “com perplexidade” conclusões da Anacom sobre preços das telecomunicações

“É com perplexidade que vemos o regulador do setor fazer afirmações e retirar conclusões que não estão corretas e que não levam em conta os critérios bem fundamentados”, lê-se na nota.

Exportações dos países lusófonos para a China sobem 0,06% em 2019

As exportações dos países de língua portuguesa para a China subiram 0,06% em 2019, em comparação com o ano anterior, de acordo com os Serviços da Alfândega chineses.

PremiumEstivadores avançam para greve total para durar até ao final de março

Sindicato dos Estivadores apresentou novo pré-aviso de greve, transformando a paralisação parcial em greve geral ao trabalho no porto da capital e prolongando o prazo até ao final do mês de março.
Comentários