Desafio número um para Portugal? O peso da dívida, um dos maiores no mundo, avisa a Moody’s

A agência de notação sublinha, no entanto, que o rácio da dívida continuaria a descer mesmo em caso de choques negativos externos nas áreas do crescimento, política orçamental, taxas de juro ou câmbio.as perspetivas de crescimento económico do país são “moderadas”.

A redução significativa do endividamento da economia portuguesa deverá continuar mesmo em caso de choques externos, mas o peso da dívida permance o principal desafio, pois é um dos maiores no mundo, afirmou esta quinta-feira Sarah Carlson, senior vice-president do Sovereign Risk Group da Moody’s.

“Quais são os desafios? Número um na lista é claramente o tamanho da dívida”, disse a responsável da agência de notação, numa conferência em Lisboa.”É um dos maiores fardos de dívida no nosso universo de análise de ratings, e isso constitui ainda um desafio material”.

Segundo o Orçamento do Estado para 2020 aprovado pelo Parlamento na semana passada, o peso da dívida pública deverá descer para 116,2% em do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020, de 119,3% em 2019.

Sarah Carlson explicou que quando analisa o risco de crédito de soberanos conduz stress tests, para availar o impacto na descida da dívida no caso de choques externos nas áreas do crescimento, política orçamental, taxas de juro, câmbio ou uma combinação destes fatores.

“E o que vemos é que em todos estes cenários, à excepção do mais duro, o choque combinado, o peso da dívida continua a cair”, sublinhou. “No caso de um choque ao crescimento caí de forma um bocado mais lenta do que anteriormente, mas continua a cair, e mesmo no choque combinado a dívida fica mais ou menos onde está”.

A Moody’s tem a notação da dívida soberana portuguesa em Baa3, com perspetiva positiva, ou seja no primeiro patamar de grau de investimento e um nível abaixos dos ratings atribuídos pela Standard & Poor’s e pela Fitch, de BBB.

Sarah Carlson explicou que a Moody’s atribui o outlook positivo a Portugal devido aos níveis de riqueza e diversificação da economia, às reformas estruturais implementadas desde o pedido de resgate financeiro em 2011 e à força das instituições de permitiu essa implementação.

A responsável explicou que a agência vê as perspetivas de crescimento económico do país como “moderadas”, mas adiantou que a Moody’s antevê um excedente orçamental este ano, de 0,1%, o que compara com os 0,2% projectados pelo Governo no Orçamento do Estado.

“Portugal é um país no qual a convergência de rendimentos ainda está a acontecer e as perspectivas de crescimento são moderadas, dado onde está em relação aos vizinhos em termos de níveis de rendimentos”, sublinhou.

[Atualizada às 10h16]

Ler mais

Relacionadas

Moody’s mantém ‘rating’ de Portugal inalterado

Agência norte-americana não se pronunciou sobre a notação da dívida soberana portuguesa, que se mantém em ‘Baa3’ e perspetiva ‘positiva’. Tal como na primeira avaliação do ano passado, a Moody’s atualizou apenas o calendário indicativo da próxima avaliação, marcada para 17 de julho.

Fitch: “postura de Centeno faz com que Portugal se distinga em relação a Itália ou até a Espanha”

Michele Napolitano, ‘senior diretor’ da Fitch e responsável pela análise do risco da dívida portuguesa, disse que o ministro das Finanças, Mário Centeno, traz prudência à política orçamental de Portugal.

Fitch está “confiante” na redução da dívida portuguesa e sinaliza melhoria no ‘rating’

Michele Napolitano, ‘senior diretor’ da Fitch e responsável pela análise do risco da dívida portuguesa destacou a “resiliência da economia portuguesa” e também a redução da dívida, que “deverá cair a um ritmo mais acelerado nos próximos anos”.
Recomendadas

Azul votou favoravelmente a saída da TAP. Estado tem luz verde para a reestruturação

“Neeleman tinha a TAP na mão, com 84,2% dos direitos económicos”, recorda um ex-quadro da TAP. Mas a hipótese da nacionalização da companhia acelerou a saída dos brasileiros da Azul, que votaram favoravelmente o “adeus” à TAP esta segunda-feira, 10 de agosto, no Estado de São Paulo.

Gaia aprova intervenções em empreendimentos sociais no valor de 20 milhões de euros

“Na próxima semana já começam obras em vários”, disse esta tarde, em reunião camarária, o presidente da câmara de Vila Nova de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, sobre um investimento que resulta de candidatura Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU).

Empresas com novo apoio à retoma recebem ajuda para subsídio de Natal em 2021

A jurista Alexandra Marcelino explicou que o trabalhador com redução de horário no âmbito do novo apoio extraordinário à retoma progressiva da atividade “tem direito a subsídio de Natal por inteiro”.
Comentários