Desemprego em Portugal deverá disparar para perto de 9,5% em 2020, prevê a Comissão Europeia

“Muitos dos cortes de empregos serão provavelmente temporários, mas a expectativa de uma recuperação lenta dos serviços de turismo e atividades relacionadas irá provavelmente ter um impacto negativo na procura por emprego num período mais prolongado”, afirmou a Comissão Europeia.

A pandemia da Covid-19 vai provocar choques temporários e de médio prazo no mercado de trabalho em Portugal, afirmou a Comissão Europeia esta quarta-feira, prevendo que a taxa de desemprego suba para cerca de 9,5% este ano, de 6,5% em 2019, antes de recuar para perto de 7,5% em 2021.

“A queda repentina da atividade económica em março 2020 levou a um aumento significativo do desemprego
registros, apesar das medidas significativas anunciadas para apoio ao emprego”, referiu a Comissão Europeia, nas projeções económicas da primavera. “Muitos dos cortes de empregos serão provavelmente temporários, mas a expectativa de uma recuperação lenta dos serviços de turismo e atividades relacionadas irá provavelmente ter um impacto negativo na procura por emprego num período mais prolongado”.

A tendência de aumento do desemprego é transversal à União Europeia, adiantou. O surto da Covid-19 mudou completamente as perspectivas de produção da economia e dos mercados laborais, explicou.

“Sem as medidas tomadas pelos Estados-Membros para sustentar o emprego, a medidas de contenção desencadeadas pela pandemia poderiam afetar o emprego ainda mais que o PIB, pois os setores mais afetados são aqueles com maior intensidade de emprego e as maiores quotas de contratos temporários”, alertou. “Espera-se, contudo, que as medidas anunciadas amorteçam esses efeitos negativos e permitam que o emprego diminua de forma mais moderadamente que o PIB”.

Para o conjunto dos 27 membros da UE, a CE projecta que o emprego total desça 4,5% este ano,  com a taxa de desemprego a subir para 9%, de 6,7% em 2019, antes de recuar para 7,9% em 2021.

Na zona euro a 19 membros, Bruxelas espera taxas de desemprego de 9,6% e 8,6% em 2020 e 2021, respectivamente, depois dos 7,5% de 2019.

Ler mais

Recomendadas

Governo anuncia linha de crédito de 50 milhões para microempresas de gestão de eventos

Os 50 milhões de euros foram anunciados pelo ministro da Economia no Parlamento, num exemplo de uma das áreas que, não sendo óbvia, enfrenta enormes dificuldades por orbitar em torno de um setor muito condicionado pela pandemia, o turismo. 20% dos 50 milhões de euros desta linha poderá passar a fundo perdido caso empresas mantenham o emprego no próximo ano.

Fórum para a Competitividade prevê queda do PIB até 12% este ano

Para o próximo ano, a entidade liderada por Pedro Ferraz da Costa antevê uma recuperação do PIB entre 5% e 6%.

UTAO prevê que medidas previstas pelo Governo tenham impacto menor no défice 

“O contributo direto das novas medidas permanentes para o saldo orçamental de 2021 ascende a –499,3 ME. No relatório do MF [Ministério das Finanças] este contributo mede –1.947,0 milhões de euros”, pode ler-se no documento divulgado esta quinta-feira.
Comentários