Dívida da Madeira desce 50 milhões de euros e atinge valor mais baixo desde o 4º trimestre de 2014

No primeiro trimestre a dívida bruta da Madeira ficou em 4,6 mil milhões de euros. os empréstimos tiveram um peso de 60,8%, diz a Direção Regional de Estatística.

A dívida bruta da Madeira fixou-se em 4,6 mil milhões de euros, no primeiro trimestre de 2020, menos 50 milhões de euros, em comparação com o trimestre anterior, e menos 88 milhões de euros comparação face ao mesmo período do ano anterior, o valor mais baixo desde o quarto trimestre de 2014, de acordo com os dados da Direção Regional de Estatística (DREM).

O peso dos empréstimos na dívida da região autónoma baixou dos 67,7% para os 60,8%, entre o primeiro trimestre de 2020 e o período homólogo, enquanto que a dívida titulada passou de 32,3% para 39,2%.

A DREM diz ainda que a dívida líquida dos depósitos ficou em 4,3 mil milhões de euros, menos 105 milhões face ao trimestre anterior e menos 68 milhões de euros em comparação com o ano passado.

Recomendadas

Deco mostra dúvidas sobre preços praticados nas teleconsultas

Relativamente às consultas do setor privado, a DECO tem registado algumas dúvidas sobre os preços praticados. A principal relaciona-se com a justiça de uma consulta por videochamada apresentar o mesmo custo económico para o utente. Essa é uma questão que deve ser respondida com urgência.

Madeira: eurodeputada do PS quer abordagem transversal na saúde

A eurodeputada Sara Cerdas defendeu que a ausência de políticas para a saúde e bem-estar tem gerado “graves consequências” para todos os cidadãos e para os sistemas de saúde dos Estados Membros, e pediu “uma maior aposta” na saúde em todas as políticas, que inclua uma visão mais abrangente dos desafios, não só os relacionados com a pandemia, mas que seja transversal a outros setores.

JPP quer trabalhadores da economia informal incluídos nos apoios do Fundo de Emergência Social

O partido diz que no casos dos trabalhadores que não se encontravam enquadrados nos sistema de Segurança Social, estes foram “duplamente penalizados” porque não têm forma de provar perda de rendimentos devido à pandemia, pelo que não elegíeis para vários tipos de apoios, entre os quais o Fundo de Emergência Social.
Comentários