CFP: Dívida pública aumenta para 123% e afasta-se das metas orçamentais

O relatório do Conselho de Finanças Públicas (CFP) indica que, para cumprir a previsão anual de 118,6% do PIB, o rácio da dívida pública tem de reduzir-se quatro pontos percentuais do PIB até ao final do ano.

Cristina Bernardo

A dívida pública aumentou para 123% entre janeiro e março, afastando-se das metas orçamentais previstas pelo Ministério das Finanças para o final do ano. O relatório do Conselho de Finanças Públicas (CFP), divulgado esta quinta-feira, indica que, para cumprir a previsão anual de 118,6% do PIB, o rácio da dívida pública tem de reduzir-se quatro pontos percentuais do PIB até ao final do ano.

“No ano terminado no 1.º trimestre de 2019, o rácio da dívida pública elevou-se para 123% do PIB, afastando-se da meta prevista para o final do ano”, lê-se no relatório do CFP. A explicar o aumento da dívida pública esteve o efeito desfavorável do aumento de depósitos, o que levou uma diminuição da dívida líquida de depósitos em 0,8 pontos percentuais do PIB desde o final de 2018.

O relatório estima que o rácio da dívida pública tenha registado um aumento de 1,5% do PIB face aos 121,5% alcançados no trimestre anterior. A explicar este resultado esteve o aumento nominal da dívida pública em 5,5 milhões de euros, que foi superior ao do PIB nominal anual terminado nesse trimestre.

Recomendadas

Governo já enviou para Bruxelas esboço do Orçamento, mas só divulga na quarta-feira

Portugal já enviou para a Comissão Europeia o esboço do Orçamento do Estado para 2020, apurou o Jornal Económico junto de fonte governamental. No entanto, o documento apenas será divulgado esta quarta-feira de manhã no portal do Governo.

Conselho Económico e Social aponta desvio de 2 mil milhões no investimento público entre 2016 e 2018

A conclusão integra o projeto de parecer do Conselho Económico e Social (CES) sobre a Conta Geral do Estado (CGE) relativa a 2018 a que a Lusa teve hoje acesso.

CGA perdeu quase 32 mil subscritores nos últimos três anos, diz UTAO

A redução do número de subscritores, que em agosto totalizavam 435.837, “é natural”, explica a UTAO, pois a CGA é um sistema fechado a novas inscrições desde 2006, altura em que os novos trabalhadores da administração pública passaram a inscrever-se no regime da Segurança Social.
Comentários