CFP: Dívida pública aumenta para 123% e afasta-se das metas orçamentais

O relatório do Conselho de Finanças Públicas (CFP) indica que, para cumprir a previsão anual de 118,6% do PIB, o rácio da dívida pública tem de reduzir-se quatro pontos percentuais do PIB até ao final do ano.

Cristina Bernardo

A dívida pública aumentou para 123% entre janeiro e março, afastando-se das metas orçamentais previstas pelo Ministério das Finanças para o final do ano. O relatório do Conselho de Finanças Públicas (CFP), divulgado esta quinta-feira, indica que, para cumprir a previsão anual de 118,6% do PIB, o rácio da dívida pública tem de reduzir-se quatro pontos percentuais do PIB até ao final do ano.

“No ano terminado no 1.º trimestre de 2019, o rácio da dívida pública elevou-se para 123% do PIB, afastando-se da meta prevista para o final do ano”, lê-se no relatório do CFP. A explicar o aumento da dívida pública esteve o efeito desfavorável do aumento de depósitos, o que levou uma diminuição da dívida líquida de depósitos em 0,8 pontos percentuais do PIB desde o final de 2018.

O relatório estima que o rácio da dívida pública tenha registado um aumento de 1,5% do PIB face aos 121,5% alcançados no trimestre anterior. A explicar este resultado esteve o aumento nominal da dívida pública em 5,5 milhões de euros, que foi superior ao do PIB nominal anual terminado nesse trimestre.

Recomendadas

De Manhattan a Singapura, os pastéis de nata já competem com os donuts. Bloomberg surpreendida com doce português

“Nunca usem garfo e faca. É suposto comê-lo com as mãos e de preferência acompanhar com um café”. A Bloomberg está estupefacta com o crescimento da fama dos pastéis de nata em todo o mundo.

Comissão de Ambiente aprova projeto dos Verdes contra plástico para pão, fruta e legumes

O projeto de lei dos Verdes, que terá votação final em plenário na próxima sexta-feira, aplica-se a “todos os estabelecimentos comerciais que vendem pão, legumes e frutas.

Câmara de Lisboa reduz passivo em 34 milhões de euros nos primeiros cinco meses do ano

Defendendo que “a situação económico-financeira do município é completamente sustentável”, o autarca destacou que o passivo total da câmara baixou dos 904 milhões de euros registados em 31 de dezembro do ano passado para 870 milhões no final de maio.
Comentários