Dívida pública do Brasil cresce 9,5% em 2019 e bate recorde de 920 mil milhões de euros

O valor representa um aumento de 9,5% em relação a 2018, quando a dívida foi de 3,877 biliões de reais (840 mil milhões de euros).

A dívida pública federal do Brasil subiu 9,5% em 2019 e chegou a 4,248 biliões de reais (920 mil milhões de euros), valor recorde, informou hoje a Secretaria do Tesouro Nacional, do Ministério da Economia brasileiro.

O valor representa um aumento de 9,5% em relação a 2018, quando a dívida foi de 3,877 biliões de reais (840 mil milhões de euros).

Assim, a dívida pública federal, que inclui os endividamentos do Governo brasileiro dentro e fora do país, atingiu no ano passado o maior patamar da série histórica, que teve início em 2004.

Contudo, apesar do aumento, foi cumprido o Plano Anual de Financiamento (PAF) de 2019, que estabelecia que a dívida pública poderia encerrar o ano passado entre 4,1 biliões de reais e os 4,3 biliões de reais (entre 890 mil milhões e 930 mil milhões de euros).

Segundo os dados do Tesouro brasileiro, nos últimos dez anos, a dívida pública mais do que duplicou, sendo que em 2009 a dívida estava em 1,497 biliões de reais (320 mil milhões de euros)e, encerrou 2019 com 4,248 biliões de reais ( 920 mil milhões de euros).

A participação dos investidores estrangeiros na dívida pública interna caiu em termos percentuais, de 11,22% ao fim de 2018 para 10,43% ao fim do ano passado.

Os estrangeiros ocupam a quarta posição dos principais detentores da dívida pública do Brasil, atrás dos fundos de investimento, fundos de previdência social e instituições financeiras.

Para 2020, a dívida deve alcançar um novo valor recorde.

O PAF para o corrente ano, divulgado hoje, indica que a dívida pública federal do Brasil poderá variar entre 4,5 biliões de reais e 4,75 biliões de reais (970 mil milhões de euros e 1,03 biliões de euros).

A dívida é contraída pelo Governo federal para financiar o défice orçamental do executivo, ou seja, para pagar despesas que ficam acima da receita do Estado em impostos e tributações.

No PAF, o Tesouro Nacional estima, num cenário macroeconómico, a combinação de um “cenário benigno” para a inflação, com manutenção das taxas de juros em níveis historicamente baixos, recuperação gradual da atividade económica, e continuidade da agenda de reformas estruturais “de maneira a subsidiar o ajuste fiscal em curso”.

Ler mais

Recomendadas

PremiumOrçamento de longo prazo da União Europeia continua num impasse

Líderes europeus discutem em Bruxelas a dotação de verbas do próximo quadro plurianual, mas ‘Amigos da Coesão’ e ‘contribuintes líquidos’ só concordam em discordar da proposta apresentada por Charles Michel.

Covid-19: Economia da China poderá retomar normalidade no segundo trimestre, diz diretora do FMI

Segundo a diretora-geral do FMI, em janeiro foi projetado “um crescimento global de 2,9%, no ano passado, para 3,3% neste ano. Desde então, o Covid-19 – uma emergência de saúde global – interrompeu as atividades [económicas] na China”.

ISV: Fisco ‘perde’ recurso por ausência de respostas ao Constitucional

Na origem deste recurso esteve um processo, que correu no Centro de Arbitragem Administrativa (CAAD), movido por um contribuinte que reclamava da forma como foi aplicado o Imposto Sobre Veículos (ISV) num carro usado importado de outro país da União Europeia.
Comentários