Do Técnico até 53.º da criptografia mundial

Diogo Mónica, antigo aluno do Instituto Superior Técnico, figura entre as 100 pessoas mais influentes do mundo da criptografia.

Diogo Mónica, antigo aluno do Instituto Superior Técnico, figura entre as 100 pessoas mais influentes do mundo da criptografia. Ocupa, mais exatamente, a posição 53 na terceira edição da lista do site norte-americano de notícias ligado ao mundo da criptografia e do blockchain, Modern Consensus. Diogo formou-se em Engenharia de Telecomunicações e Informática no campus do Taguspark e doutorou-se em Engenharia Informática no Técnico. No outro lado do Atlântico começou por trabalhar como designer de segurança na fintech Square, onde conheceu Nathan McCauley, com quem criou a Anchorage, em 2017. Esta instituição recebeu já aprovação como o primeiro banco de criptomoedas dos EUA a nível federal, o que é visto pela Modern Consensus como um “enorme passo em frente para toda a indústria da moeda criptográfica”.

Recomendadas

NOVA impACT! Challenges entra na fase de seleção

As soluções podem ser variadas, incluindo aplicações, ferramentas informáticas, dispositivos físicos ou um plano de negócios. Têm é que estar alinhadas com pelo menos um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas.

“Há países sem uma dose da vacina administrada”, alerta professor de Enfermagem da Católica

“Claro que é recomendável dar uma terceira dose, nomeadamente aos mais idosos, mas também é recomendável ponderar se não será bom distribuir vacinas por outros países, que ainda não as tomaram, para garantir a segurança no mundo face a esta pandemia”, defende Pedro Melo na edição do podcast “Conversas com Norte” que irá para o ar na próxima segunda-feira.

Elvira Fortunato: “Propomos um Simplex para a ciência e para o país”

Para a vice-reitora da Nova, o segredo das suas invenções é apenas trabalho, muito trabalho aliado a uma grande paixão por aquilo que faz. A seis mãos desenhou uma proposta que está nas mãos do ministro Manuel Heitor, com soluções para simplificação da contratação pública. O PRR é não só uma oportunidade para a ciência em Portugal, mas também para que se simplifique a burocracia, considera.
Comentários