Donald Trump rejeita aquecimento global e acredita que “vai começar a ficar mais frio”

Os incêndios nos EUA já mataram 36 pessoas e o presidente americano rejeita que o problema esteja associado às alterações climáticas. Trump aponta que o problema dos incêndios está na má gestão florestal.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, descartou as preocupações com as alterações climáticas, esta terça-feira, 15 de setembro, durante a sua visita à Califórnia, estado norte-americano que tem sido devastado pelos incêndios, segundo a “BBC”.

“Vai começar a ficar mais frio”, referiu Donald Trump aos jornalistas. Quando questionado se a mudança climática tinha sido um dos fatores motivadores dos incêndios florestais, o presidente americano considerou ser apenas “umas situação de gestão” e apontou que outros países não lidaram com o mesmo nível de incêndios florestais.

“Quando se iniciar uma alteração climática, bem, a Índia vai mudar os seus hábitos? E a China vai mudar os seus hábitos? E a Rússia?”, questionou-se Donald Trump.

Incêndios em vários estados dos EUA mataram pelo menos 36 pessoas desde o início de agosto. Os cientistas garantes que as atividades humanas fizeram aumentar a temperatura global. No entanto, o presidente dos EUA culpa a má gestão florestal pelos incêndios que queimaram quase 2 milhões de hectares (5 milhões de acres) de terras na Califórnia, Oregon e estado de Washington.

Durante a sua visita à Costa Oeste dos Estados Unidos, o candidato republicano voltou a reproduzir o argumento de que o problema com os incêndios está relacionado com a gestão florestal, quando se encontrou com as autoridades californianas envolvidas na luta contra os incêndios florestais. Em 2018, o presidente americano lançou às mesmas críticas ao estado da Califórnia e utilizou a Finlândia como exemplo, apontando que “varriam e derrubaram as florestas para evitar incêndios”.

A desvalorização de Donald Trump das alterações climáticas não é recente. Em janeiro, o presidente dos EUA classificou as mudanças climáticas como “míticas”, “inexistentes” ou “uma farsa”, tendo simultaneamente assegurado que o assunto é sério e “muito importante para mim”.

Donald Trump retirou os EUA do acordo climático de Paris e em janeiro já contabilizava 120 publicações no Twitter onde desvalorizava o aumento da temperatura global, segundo a “BBC”. Em 2012, numa das suas habituais partilhas nas redes sociais, o presidente dos EUA escreveu que a alteração climática tinha sido “criada por e para os chineses a fim de tornar a indústria norte-americana não competitiva”, algo que mais tarde alegou ser uma piada.

Ler mais
Relacionadas

Presidente dos EUA ameaça Irão com retaliação “mil vezes” mais forte

“De acordo com notícias da imprensa, o Irão pode estar a planear um assassínio, ou outro ataque, contra os Estados Unidos, em retaliação pela morte do líder terrorista (Qassem) Soleimani”, escreveu Trump.

EUA: Vinte estados processam agência ambiental por afrouxar restrições à emissão de metano

No rescaldo dos devastadores incêndios florestais que assolaram a costa oeste nos últimos tempos, mas também devido às inundações no sul e aos tornados a leste, 20 estados e quatro municípios estão a processar a administração Trump e a Agência para a Proteção Ambiental.
Recomendadas

Oxfam: 1% mais ricos do mundo são responsáveis por mais do dobro das emissões poluentes do que 50% mais pobres

O relatório alertou ainda para o consumo excessivo do carbono por parte dos mais ricos, assumindo que estes estão a esgotar o “orçamento de carbono” mundial, sustentando que este é “finito”.

Reino Unido em fase crítica da pandemia, alerta diretor-geral de Saúde

“A tendência no Reino Unido está a ir em direção contrária e estamos a entrar num ponto crítico da pandemia”, admitiu o diretor-geral de Saúde de Inglaterra, Chris Whitty. “Estamos a analisar os dados para perceber como gerir a propagação do vírus antes que chegue um inverno desafiador”, explicou o médico consultor.

Biden diz que substituição no Supremo antes das eleições é “exercício de poder brutal”

“Se o Presidente Trump insiste em dar um nome, o Senado não deverá agir antes que os americanos possam escolher o seu próximo Presidente e o seu próximo Congresso”, prosseguiu o antigo vice-presidente de Barack Obama, que lidera as sondagens nacionais para a corrida à Casa Branca.
Comentários