Dos incêndios ao Lehman, há debates toda esta semana sobre a ‘Economia Viva’ na Nova

A terceira edição anual do ciclo de conferências Economia Viva, organizada pelo Clube de Economia e a Associação de Estudantes da Universidade Nova, decorre de 19 a 23 de fevereiro no ‘campus’ de Campolide.

A participação de Mário Centeno, presidente do Eurogrupo e ministro das Finanças português, deverá ser o ponto alto da terceira edição do ciclo de conferências ‘Economia Viva’ que decorre na Universidade Nova de Lisboa esta semana, mas não será a única atração numa série de discussões sobre temas variados sobre a economia nacional e mundial.

O evento, no qual o Jornal Económico é media partner,  é organizado pelo Clube de Economia e a pela Associação de Estudantes e arranca esta segunda-feira, dia 19, às 18 horas, com um debate dedicado ao tema “Olhar o além do fogo: a nossa floresta”.

No dia seguinte, à mesma hora, o tema é “10 years after Lehman” – uma discussão sobre como o colapso do banco de investimento norte-americano há uma década, durante a crise financeira, afetou o percurso dos mercados.

Quarta-feira, também às 18 horas, o tema é novamente relacionado com a economia nacional. A conferência “Que impostos deveriam os portugueses pagar?” contará com a participação da antecessora de Mário Centeno nas Finanças, a ex-ministra Maria Luís Albuquerque.

Numa altura em que o tema das alterações no mercado laboral devido à transformação digital é central, a conferência “Inequality and Future in a jobless market”, quinta-feira dia 22 às 18 horas, irá analisar as consequências sociais dessa tendência.

No último dia da semana vão decorrer duas conferências. Às 11 horas da manhã, Vítor Bento, chairman da SIBS, vai ser um dos participantes na discussão sobre “Participação e democracia”. Às 18 horas, Mário Centeno fará parte do painel “Does growth have a future in Europe?”, sobre o crescimento económico do continente.

Ler mais

Recomendadas

Marcelo defende que escolas devem “fechar o mais cedo possível”

Apesar de apontar efeitos demolidores para os estudantes, Marcelo Rebelo de Sousa defende que as escolas devem fechar o “mais cedo possível”, disse hoje ao Observador.

Portugal foi o quarto país da zona euro que mais aumentou o peso da dívida pública no terceiro trimestre

O rácio da dívida pública na zona euro subiu para 97,3% do PIB no terceiro trimestre do ano passado. Portugal continua a ocupar o terceiro lugar do ranking de países com o maior peso de dívida pública e em comparação com o segundo trimestre foi dos que registou a maior subida.

Portugal teve o terceiro maior défice da zona euro no terceiro trimestre

Os défices na zona euro caíram para 5,8% do PIB no terceiro trimestre do ano passado, em termos ajustados de sazonalidade. O défice de Portugal igualou o de Espanha e fixou-se acima da média dos países da moeda única.
Comentários