Dos “sonhadores” ao muro polémico: as diferentes perspetivas de Trump e Biden sobre a imigração

Das restrições aos emigrantes devido ao coronavírus, ao muro na fronteira com o México, são claras as diferentes perspetivas dos dois candidatos à Casa Branca

As divergências entre Donald Trump e o adversário democrata Joe Biden são várias e no tema da imigração essas diferenças destacam-se ainda mais. Das restrições aos emigrantes devido ao coronavírus, ao muro na fronteira com o México, a Reuters enalteceu esta segunda-feira os aspetos ligados à imigração em divergem os candidatos à Casa Branca.

Restrições aos emigrantes durante a pandemia

Donald Trump reduziu drasticamente a imigração e as viagens para os Estados Unidos durante a pandemia do coronavírus, argumentando que as medidas eram necessárias por motivos de saúde e para proteger os empregos dos trabalhadores americanos face aos altos níveis de desemprego. Durante a pandemia, Trump restringiu a entrada de muitos trabalhadores estrangeiros e imigrantes que esperavam adquirir residência permanente nos EUA.

Por outro lado, Joe Biden partilhou no Twitter que Donald Trump estava a banir os imigrantes para desviar a atenção da resposta pandémica do seu governo e que “os imigrantes ajudam a expandir a economia e a criar empregos”.

Além das restrições, o presidente americano também implementou uma política de emergência de saúde pública que permite às autoridades dos EUA deportarem rapidamente imigrantes que estejam na fronteira EUA-México, incluindo menores sem os pais, contornando assim os habituais processos legais.

O adversário Joe Biden garantiu que interromperá as deportações durante 100 dias após assumir o cargo, mas durante a sua campanha ainda não comentou as regras a aplicar às fronteiras.

“Sonhadores”

O supremo tribunal dos EUA decidiu em junho contra a decisão de Donald Trump de 2017 de encerrar o programa que protege da deportação imigrantes popularmente conhecidos como “sonhadores”, que vieram para os Estados Unidos em crianças e permaneceram no país ilegalmente. Na decisão, o tribunal considerou o encerramento “arbitrário e caprichoso”. Por sua vez, o executivo de Trump emitiu um memorando em julho que restringiu este programa, bloqueando novas inscrições e permitindo apenas renovações que durassem um ano, menos do que o período atual de dois anos.

O programa em questão foi lançado pelo então presidente Barack Obama em 2012, e concede alívio de deportação e autorizações de trabalho a cerca de 644 mil jovens adultos hispânicos. Joe Biden, antigo vice-presidente do executivo de Barack Obama, assegurou que se for eleito presidente dos EUA irá reverter a “cruel” decisão de Trump e prometeu também fortalecer as condições para os ditos “sonhadores”, ao torna-los elegíveis ao auxílio federal

Separação das famílias

A política de “tolerância zero” de Trump de 2018, que consistia em processar as travessias ilegais da fronteira fez com que milhares de crianças fossem separadas à força dos pais e tutores legais detidos na fronteira com o México. A política, descrita pelo governo como um impedimento, gerou indignação, o que fez com que Trump assinasse uma ordem executiva para encerrar a prática, que ainda assim continuou a acontecer.

Segundo a Reuters, Joe Biden classificou a atitude de Trump como “tática de intimidação” e assegurou que seria uma prioridade reunir todas as crianças ainda separadas das suas famílias

Restrições a muçulmanos

Donald Trump assinou uma ordem uma ordem que proibia a entrada de imigrantes de sete países de maioria muçulmana, uma medida que Joe Biden e outros críticos dizem discriminar os muçulmanos. Um tribunal federal bloqueou a proibição inicial, mas em 2018 o supremo tribunal manteve uma versão alterada que, desde então, foi expandida a outros países. A nova versão impõe restrições a viajantes de cinco países de maioria muçulmana – Irão, Líbia, Somália, Síria e Iêmen. A Coreia do Norte e a Venezuela também enfrentam barreiras quanto à obtenção de visto, mas essas medidas afetam relativamente poucos imigrantes.

Muro na fronteira com o México

As promessas de Donald Trump de construir um muro ao longo da fronteira com o México foi um dos pontos de destaque da campanha de 2016, uma proposta que enfureceu os democratas. Apesar das criticas, o governo completou 265 milhas do muro de fronteira, com uma meta de 450 milhas até o final do ano. O México recurou-se a pagar por qualquer parte da construção, algo que ficou a cargo dos fundos do Pentágono.

Já no plano de imigração de Joe Biden, o democrata revela querer acabar com o desvio de fundos do Pentágono para construir o muro e pretende concentrar-se na fiscalização das fronteiras em investimentos como a melhoria das infraestruturas de triagem nos portos.

 

 

Ler mais
Relacionadas

Donald Trump diz que Joe Biden “é contra Deus e contra as armas”

Numa viagem ao estado do Ohio o presidente norte-americano voltou a prometer a recuperação económica do país após a pandemia, trazendo de volta “milhões” de empregos no setor industrial.

Estados Unidos com mais de cinco milhões de casos desde o início da pandemia

Os Estados Unidos registaram no domingo cinco milhões de casos de covid-19, desde o início da epidemia, de acordo com uma contagem independente da Universidade Johns Hopkins.
Recomendadas

Angola: Manuel Vicente denuncia manobra de diversão

O ex-vice-presidente de Angola Manuel Vicente negou ter-se apropriado de 193 milhões de euros da Sonangol, como denunciou o antigo gestor de Isabel dos Santos, e apelida a acusação de “indecorosa manobra de diversão”.

Orçamento da CPLP para 2021 terá “crescimento zero” mas redução de custos

O orçamento da organização, suportado pelas contribuições dos seus nove Estados-membros, foi de 2.734.731,15 euros para o exercício de 2020. O Conselho de Ministros extraordinário deve realizar-se entre 7 e 9 de dezembro.

Hamas e Fatah chegam a acordo para a realização de eleições daqui a seis meses

Depois de 15 anos sem atos eleitorais, na sequência dos confrontos que resultaram da tentativa de coligação em 2006, as duas principais fações palestinianas procuram dar sinais de união numa altura em que o restante mundo árabe parece aberto à normalização dos laços com Israel.
Comentários