É como “viver num paraíso fiscal”. Portugal está a atrair os multimilionários brasileiros

Cada vez mais brasileiros de classe alta estão a ser atraídos para terras lusas devido à expansão no mercado imobiliário e benefícios fiscais que Portugal oferece.

“Estamos na Europa, num país que passou por um renascimento nos últimos anos”, explica Ricardo Bellino, multimilionário brasileiro de 53 anos, à Bloomberg sobre a opção de viver em Portugal.

Bellino comprou uma casa num resort exclusivo, localizado numa serra nos arredores de Lisboa, e, destaca a agência noticiosa, tem direito a uma taxa de imposto especial de apenas 20% sobre os rendimentos e, no futuro, terá direito a uma pensão isenta de qualquer imposto.

“Foi uma oportunidade de viver num paraíso fiscal que não é uma ilha nas Caraíbas”, explicou Bellino, relembrando que Portugal implementou os incentivos fiscais há uma década com o objetivo de atrair estrangeiros de rendimentos elevados para o sul da Europa.

Em 2012, um ano depois de pedir um resgate internacional, o governo começou a oferecer vistos de residência para não europeus que comprassem imóveis no valor superior a 500 mil euros.

Como consequência, uma série de investidores estrangeiros concentraram forças em Portugal, sobretudo em Lisboa e Porto, alimentado uma acelerada valorização do cenário imobiliário do país. Segundo dados citados pela Bloomberg, os franceses responderam por 29% do investimento estrangeiro em imobiliário, seguidos pelos brasileiros, com 19%. Os britânicos com 11%, e chineses, com 9%. Apesar disso, os empresários do Brasil deverão tomar o pódio rapidamente, avança a agência.

“Estão a comprar casas em todo o lado”, afirmou Luís Lima, presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP). “Estes brasileiros são completamente diferentes daqueles que vieram para Portugal no passado. Pertencem a uma classe social mais elevada.”

Porém, nem tudo são boas notícias. O boom no setor imobiliário tem vindo a fazer-se sentir diariamente, e a Bloomberg refere precisamente isso, pondo as culpas nos investidores milionários estrangeiros. “O boom do turismo, no imobiliário e os incentivos à imigração ajudou a economia a apresentar o maior crescimento em quase duas décadas, mas também levou a uma reação entre os portugueses que se viram fora do mercado imobiliário à medida que a nova procura subiu os preços”, sublinha a agência. Só em 2018, os preços médios para viver em Lisboa cresceram 23,5% enquanto o salário médio subiu 3,7%.

Ler mais
Recomendadas

Confiança dos consumidores volta a aumentar em junho

O saldo das expectativas relativas à evolução da situação económica do país aumentou em junho, após ter diminuído ligeiramente no mês precedente, revela esta quinta-feira o INE.

Igreja quer transformar antigos seminários em residências universitárias

Segundo o secretário de Estado do Ensino Superior, o objetivo é dar resposta “imediata e robusta, logo no início do próximo ano letivo”, revelando a impossibilidade de ter 12 mil camas novas já em setembro.

Joana Marques Vidal fala segunda-feira na SEDES sobre “a corrupção e autonomia do Ministério Público”

O evento enquadra-se no Ciclo de Debates “Ao fim de tarde na SEDES com quem sabe”, do qual o Jornal Económico é ‘media partner’. Na palestra, anterior, que decorreu a 24 de junho, o antigo Presidente da República, Ramalho Eanes, alertou que a corrupção “grassa pela sociedade”.
Comentários