“É lamentável que o caso Marquês tenha sido usado para um ajuste de contas”, diz Mariana Mortágua

“A interpretação que o juiz Ivo Rosa agora usou para deixar cair as acusações do Ministério Público a José Sócrates já foi utilizada pelo próprio Ministério Público no processo de Paulo Portas relativo aos submarinos”, sublinhou a deputada do BE. 

A deputada do Bloco de Esquerda (BE) Mariana Mortágua considerou “lamentável que o caso Marquês tenha sido usado para um ajuste de contas dentro da Justiça”.

Numa crónica publicada na página do BE, Mariana Mortágua defende que “independentemente da fundamentação jurídica de cada uma das fases do processo (acusação e instrução) é lamentável que o caso Marquês tenha sido usado para um ajuste de contas dentro da Justiça, a que todos assistimos em direto”.

Mariana Mortágua acredita ser “inadmissível que coexistam há tanto tempo duas metodologias para apreciar os seus prazos de prescrição”. “A interpretação que o juiz Ivo Rosa agora usou para deixar cair as acusações do Ministério Público (MP) a José Sócrates já foi utilizada pelo próprio Ministério Público no processo de Paulo Portas relativo aos submarinos”, sublinhou a deputada do BE.

De recordar que do total de 31 crimes de que estava acusado, José Sócrates apenas vai a julgamento por seis: três de lavagem de dinheiro e três por falsificação de documento.

“Seja qual for o resultado do recurso do Ministério Público, este processo já deixa várias lições, para quem as quiser e souber tirar. A lei que criminaliza o enriquecimento injustificado está há mais de uma década para ser aprovada. Não há razão para esperar mais”, avaliou Mariana Mortágua.

A 20 de abril, o MP pediu a nulidade da decisão do juiz Ivo Rosa por entender que houve alteração dos factos.

Para a bloquista, “urge uniformizar os critérios de contagem do prazo destes crimes e quer o Supremo Tribunal de Justiça quer o Parlamento podem e devem fazê-lo”.

“Prove-se ou não corrupção, o facto é que José Sócrates recebeu e usufruiu, no decorrer do exercício dos cargos públicos que exerceu, de vantagens patrimoniais para as quais não existe qualquer explicação”, destaca Mariana Mortágua.

No texto escrito por Mortágua, a deputada do BE recorda ainda que “em 2020, o Bloco fez aprovar uma lei que estabelece o pagamento de uma taxa de 80% sobre enriquecimento não justificado. Este caso relembra a urgência de uma lei que criminalize o enriquecimento injustificado, ultrapassando de vez as questões levantadas pelo Tribunal Constitucional”.

A 21 de abril, a líder do BE, Catarina Martins, apresentou as propostas mais recentes do partido relativamente ao enriquecimento ilícito. Agora, os bloquistas pedem o pagamento a 100% ao Estado de todo o acréscimo de rendimentos injustificados e pena de prisão até cinco anos.

Ler mais
Relacionadas

Ferro Rodrigues concorda com Marcelo quanto à lei do enriquecimento ilícito

“Com a atual lei já é obrigatório que os titulares de cargos que referi [deputados, membros do Governo, autarcas juízes e procuradores] façam as declarações de rendimento e património. Acontece que há uma Entidade da transparência que ainda não foi instalada e que depende do Tribunal Constitucional”, afirma Ferro Rodrigues, acrescentando que “não faz sentido” esta entidade não ter sido ainda instalada.

Enriquecimento ilícito: proposta do BE prevê 5 anos de prisão para quem não justificar acréscimo patrimonial (com áudio)

O Bloco de Esquerda também pretende que “em vez de reverter 80%, reverta 100% para o Estado todo o acréscimo de rendimentos de património”.

Enriquecimento ilícito. Bloco acha que Marcelo “fez muito bem” em pressionar e avança já com proposta

O projeto de lei do BE sobre o enriquecimento injustificado seguirá “no essencial” a proposta da Associação Sindical dos Juízes, concordando os bloquistas com o Presidente da República na ideia de que esta ferramenta jurídica “já tarda” em Portugal.
Recomendadas

Tribunal considera ilegal obrigação de isolamento profilático de viajantes do Brasil

O Tribunal de Sintra aceitou um pedido de libertação imediata ‘habeas corpus’ de uma advogada a quem as autoridades de saúde obrigaram a ficar 14 dias em isolamento profilático em casa, quando regressava do Brasil.
Supremo Tribunal de Justiça

Supremo indemniza maquinista da MTS despedido após levar filha na cabina

Relação de Lisboa já tinha defendido que responsabilidades parentais do trabalhador divorciado se sobrepunham aos direitos da concessionária do metro de superfície em Almada e no Seixal. Segue-se cálculo do valor a pagar a quem foi despedido por nove faltas consideradas injustificadas.

Altice Portugal avança com ação de impugnação do regulamento do 5G

A empresa “continua a aguardar” a decisão do Tribunal Administrativo de Lisboa sobre a providência cautelar que foi interposta contra o regulador em novembro de 2020, “com fundamento nas múltiplas ilegalidades que continuam a ferir este mesmo regulamento”.
Comentários