easyJet cresceu 8,6% em Portugal

O maior crescimento verificado foi no aeroporto de Faro, com uma subia de 13,4%, ultrapassando a barreira dos dois milhões de passageiros no período em análise.

A companhia aérea low-cost easyJet transportou 7,2 milhões de passageiros de e para Portugal no ano fiscal que terminou em setembro de 2019, o que representou um crescimento de 8,6% face ao período homólogo.

Segundo José Lopes, diretor da easyJet para Portugal, o maior crescimento verificado foi no aeroporto de Faro, com uma subia de 13,4%, ultrapassando a barreira dos dois milhões de passageiros no período em análise.

A nível global, a easyJet transportou no ano fiscal terminado em setembro de 2019 96,1 milhões de passageiros, um crescimento de 8,6% “após um verão recorde”, de acordo com José Lopes.

Este responsável aproveitou a apresentação de resultados da companhia para anunciar o lançamento do programa de férias para os clientes da easyJet, “o easyJet holidays”, que irá arrancar ainda antes do Natal, numa primeira fase só para clientes que voem de e para o Reino Unido.

José Lopes sublinhou ainda que, a partir de hoje, a easyJet se assume como a primeira companhia aérea do mundo a ter uma pegada neutra em termos de emissões de CO2 dos seus voos, através de diversas parcerias que vão implementar mecanismos de compensação como programas de conservação florestal e aposta em energias renováveis e na água potável em locais como a América do Sul, África ou Índia.

(notícia em atualização)

Ler mais
Recomendadas

Exportações de componentes automóveis mantêm quebra acentuada

Em comunicado enviado à agência Lusa, a AFIA sublinha que os efeitos da pandemia de covid-19 continuam a ser notórios, notando que desde 2009 não se verificava um mês de maio com valores tão baixos nas exportações de componentes automóveis, a registarem uma queda de mais de metade, para 388 milhões de euros.

Tesla pode entrar no S&P 500, estima Reuters

A empresa gerida por Musk conta com uma capitalização de mercado de 250 mil milhões de dólares, maior do que 95% das empresas já pertencentes ao índice norte-americano.

ANA – Aeroportos de Portugal avança com plano de “saídas voluntárias”

“Perante uma crise que sabemos agora ser duradoura, é também necessário, desde já, um redimensionamento das nossas equipas”, referiu Thierry Ligonnière, num ‘email’, enviado aos colaboradores.
Comentários