Economia portuguesa cresceu 2,7% em 2017, o ritmo mais rápido desde 2000

Desde o início do século que Portugal não via um crescimento do produto interno bruto (PIB) tão robusto. Os dados publicados esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística ficam acima da estimativa do Governo.

A economia portuguesa cresceu 2,7% em 2017, impulsionada pela procura interna, segundo dados publicados esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O valor compara com os 1,4% de 2016 e fica acima da estimativa do Governo, que apontavam para um aumento de 2,6%.

Desde 2000, ano em que o produto interno bruto (PIB) aumentou 3,8%, que a economia portuguesa não crescia a um ritmo tão rápido.

“Esta evolução resultou do aumento do contributo da procura interna, refletindo principalmente a aceleração do investimento, uma vez que a procura externa líquida apresentou um contributo idêntico ao registado em 2016”, explicou o relatório do INE.

No último trimestre de 2017, o PIB português expandiu 2,4%, em comparação com o período homólogo e 0,6% na comparação em cadeia, depois de ter crescido 2,5% em termos homólogos e 0,5%, em cadeia, no terceiro trimestre.

“O contributo positivo da procura interna para a variação homóloga do PIB diminuiu, em resultado do abrandamento do investimento e do consumo privado. Em sentido oposto, o contributo da procura externa líquida foi positivo (no trimestre anterior tinha sido negativo), refletindo a aceleração em volume das Exportações de Bens e Serviços e a desaceleração das Importações de Bens e Serviços”, acrescentou o INE.

O crescimento da economia no ano passado ficou acima da projeção tanto do Governo como do Fundo Monetário Internacional (FMI). Apesar de o Governo estar menos confiante nos números oficiais, António Costa já tinha dado a entender que a estimativa do Executivo poderia já não estar correta. No Fórum Económico Mundial, em Davos, no final de janeiro, o primeiro-ministro afirmou que “a economia portuguesa cresceu mais do que o otimismo do Governo previa que se crescesse em 2017”.

A Comissão Europeia – instituição que estava mais confiante sobre o ano passado – projeta que a economia portuguesa cresça 2,2% em 2018 e 1,9% em 2019, devido a uma “moderação no comércio externo no horizonte temporal” e para o consumo interno, “cujo contributo para o crescimento poderá cair após uma forte performance em 2017”.

[Notícia atualizada às 09h33]

Ler mais

Relacionadas

Zona euro e UE cresceram 2,5% no ano passado

Os dados foram divulgados pelo Eurostat no mesmo dia em que o INE anunciou que a economia portuguesa expandiu 2,7%, em 2017.

Desde o início do século que a economia portuguesa não crescia tanto

Esta quarta-feira, o INE divulga dados do aumento do produto interno bruto (PIB) em 2017 e deverá confirmar a maior expansão desde 2000. Surpreendentemente, desta vez o Governo tem a projeção mais conservadora.

“Economia cresceu mais do que o otimismo do Governo previa”, enaltece António Costa em Davos

António Costa assumiu esta posição em Davos, na Suíça, onde participa até sexta-feira no Fórum Económico Mundial, depois de confrontado com os mais recentes dados da Direção Geral do Orçamento sobre o défice alcançado por Portugal em 2017.

Bruxelas mais otimista sobre crescimento de Portugal até 2019

As previsões da Comissão Europeia aproximam-se das do Governo e apontam para uma desaceleração do crescimento económico este ano e no próximo.

“Crescimento de Portugal é espetacular”, segundo Moscovici

Depois de uma performance acima do esperado em 2017, o comissário europeu espera que Portugal continue a crescer acima do potencial. Segundo dados publicados esta quarta-feira, Bruxelas espera uma expansão do PIB de 2,2% este ano e 2% no próximo.

Défice recua na UE e zona euro no terceiro trimestre de 2017. Portugal tem quinto maior excedente

Eurostat assinala, contudo, que as contas para Portugal não incluem o impacto da recapitalização da CGD, avaliada em 2,1% do PIB, prosseguindo as negociações com o INE sobre a questão qualificada como “complexa”.
Recomendadas

“Os problemas do ambiente marinho vão além da sobrepesca ou poluição”, diz ministro do Mar

Celebra-se este sábado o Dia Nacional do Mar. Ricardo Serrão Santos esteve com representantes nacionais das instituições ligadas à pesca, em Sesimbra, onde alertou que “os oceanos de hoje foram levados ao limite pela praga do nosso tempo, o aquecimento global”.

Bloco de Esquerda defende englobamento no IRS para criar mais justiça fiscal

A coordenadora do BE, Catarina Martins, defendeu este sábado o englobamento de rendimentos no IRS como forma de aliviar a carga fiscal para quem trabalha e criar mais justiça fiscal, cobrando a quem ganha rendimentos de capital.

Saudi Aramco começa este domingo o período de subscrição de ações

A maior oferta pública de venda (OPV) de ações da história começa amanhã e estará aberta até ao dia 28 de novembro para investidores privados que somente serão sauditas por decisão da empresa e até 4 de dezembro para investidores institucionais.
Comentários