EDP defende expansão da rede elétrica para novos projetos solares

A procura por pontos de ligação à rede disparou por parte de promotores de centrais solares. A EDP defende que deve haver uma expansão da rede para dar resposta ao aumento da procura, para não travar o crescimento das energias renováveis em Portugal.

O grupo EDP, que detém 82% da EDP Renováveis, defende a expansão da rede elétrica em Portugal para permitir acomodar as novas centrais de energia solar.

“A ligação à rede é um ativo escasso”, disse Rui Teixeira, administrador do grupo EDP, defendendo a sua “expansão” para que permita uma “maior penetração da matriz energética das renováveis”.

“Entendemos que é um dos fatores que está a delimitar o crescimento das renováveis”, afirmou o também presidente interino da EDP Renováveis durante a conferência anual da Associação Portuguesa de Energias Renováveis (APREN).

A rede de muito alta tensão é gerida em Portugal pela Redes Energéticas Nacionais (REN) e tem registado uma grande procura devido aos projetos para novas centrais solares.

A REN revelou na quarta-feira que já recebeu pedidos para ligar centrais solares à sua rede que atingem os 270 gigawatts (GW). Um valor que contrasta com a meta de construir nove gigawatts de nova capacidade solar fotovoltaica até 2030.

“A principal restrição está na capacidade das redes de absorver estes pedidos. Na REN, para o caso dos projetos solares, houve 4.400 pedidos no total de 270 gigawatts”, disse o administrador da REN, João Conceição, que apontou para a “desproporcionalidade de pedidos face à capacidade. Há mais pedidos do que a rede consegue absorver”.

A REN diz que procura dar resposta a estes pedidos através dos “desenvolvimentos de redes de forma tradicional, através dos planos de desenvolvimento de rede”, mas também através de uma “nova modalidade” os “acordos diretos” entre a REN e os produtores para “tentar otimizar as necessidades de rede versus pedidos apresentados”.

Apesar da grande procura por ligações à rede elétrica por parte de promotores de energia solar, em particular no Alentejo e Algarve, na sua avaliação ao plano mais recente da REN para a sua rede de transporte de eletricidade para o período 2020-2029, a Entidade Reguladora dos Serviços Energético (ERSE) defendeu em maio que a REN deve reduzir o seu investimento previsto dos 743 milhões de euros para os 502 milhões de euros. No plano anterior, datado de 2017, a REN previa fazer investimentos de 942 milhões.

“Num contexto em que são mais as incertezas do que as certezas quanto ao futuro do sistema elétrico, agravado pela atual conjuntura que o país atravessa e cujos efeitos sobre a economia se poderão prolongar por bastante tempo, a prudência obriga a não considerar aceitável que, da aprovação da proposta de PDIRT-E 2019, resulte qualquer aumento dos custos a suportar pelos consumidores em sede de tarifas de acesso às redes elétricas”, disse a ERSE no seu parecer divulgado a 13 de maio.

Também a EDP Distribuição, empresa responsável pelo transporte de eletricidade em baixa e média tensão, assume que tem recebido muitos pedidos para ligar centrais solares à sua rede.

“Há uma pressão muito grande sobre a nossa organização, as pessoas são impacientes com os prazos, temos a organização sob muita pressão. Trabalhamos diariamente com a Direção-Geral de Energia (DGEG) e REN. Estamos preparados, é um tema que preocupa, mas que vamos ultrapassar, vamos dar conta do recado”, afirmou o presidente da EDP Distribuição, João Torres, na conferência da APREN.

Ler mais
Relacionadas

Governo quer recrutar mais técnicos para a DGEG e APA depois de críticas de produtores

Os produtores de energias renováveis têm vindo a criticar as demoras das instituições do Estado em avançar com processos. Governo vai apresentar propostas para reforçar quadros da DGEG e da APA no âmbito do Orçamento do Estado para 2021.

Governo estuda possibilidade de produzir energia solar em autoestradas e barragens

O objetivo é “instalar painéis solares, mas que não ocupem terrenos”, como as albufeiras das barragens, com painéis flutuantes, ou os separadores centrais das autoestradas, disse hoje o secretário de Estado de Energia. Próximo leilão de atribuição de pontos de rede pode prever já esta possibilidade.

Pedidos para ligar centrais solares à rede atingem os 270 gigawatts

A REN recebeu mais de quatro mil pedidos para ligar centrais à sua rede. Portugal tem uma meta até 2030 para atingir os nove gigawatts de nova potência solar, com os pedidos a ultrapassarem largamente esta meta.

Interligação elétrica ibérica com o resto da Europa continua a ser relevante, defende ERSE

Atualmente, Portugal e Espanha têm 15% de capacidade de interligação elétrica à Europa. Em cima da mesa continua a hipótese de criar uma interligação entre a Península Ibérica e outros parceiros europeus, nomeadamente com França.

Leilões de energia renovável poupam 100 milhões aos consumidores em oito anos, diz ERSE

Segundo o Relatório de Resultados dos Leilões PRE — Análise Plurianual 2012/2019, publicado hoje pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), aqueles leilões, iniciados em 2012, “permitiram reduzir o sobrecusto desta energia, pago por todos os consumidores nas tarifas, em mais de 100 milhões de euros entre 2012 a 2019, o que significa uma redução média anual de cerca de 11,2 milhões de euros”.

Produção de hidrogénio verde é sinónimo de liderança a nível mundial e captação de investimento estrangeiro

Na conferência realizada pela APREN, os participantes do painel consideraram que a aposta no hidrogénio verde apenas traz vantagens para Portugal. Porém ressalvam um aspeto: é necessária a cooperação entre o setor privado e público para que se beneficie ao máximo desta aposta.

Comissão Europeia: Portugal tem “condições competitivas para a produção” de hidrogénio verde

A comissária para a Energia destacou hoje o “grande projeto” idealizado para Sines com o objetivo de construir uma central de produção de hidrogénio verde com o objetivo de exportar este gás para a Holanda.
Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Sindicato denuncia que Ryanair se prepara para despedir 23 tripulantes no Porto enquanto abre processo de recrutamento

O SNPVAC denuncia que, ao mesmo tempo que a companhia aérea avança para o despedimento coletivo, já está a realizar cursos para novos tripulantes “violando grosseiramente o Código de Trabalho”, segundo o sindicato.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários