EDP e Sonatrach terminam parceria celebrada em 2007

Na sequência desta decisão, a EDP passa a ter o controlo total da central de ciclo combinado de gás natural Soto 4, em Espanha, com 426 megawatts de capacidade instalada, através da compra da participação de 25% detida pela Sonatrach.

A EDP e a Sonatrach terminaram uma parceria, com cerca de 14 anos, assumindo a elétrica o controlo total da central de gás natural Soto 4, em Espanha, através da compra da posição de 25% detida pela empresa.
“A EDP — Energias de Portugal e a Societé Nationale pour la Recherche, la Production, le Transport, la Transformation et la Commercialisation des Hydrocarbures (Sonatrach) acordaram cessar a parceria celebrada, em 2007, num contexto de crescimento da capacidade das CCGTs no mercado ibérico”, lê-se na informação enviada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Na sequência desta decisão, a EDP passa a ter o controlo total da central de ciclo combinado de gás natural Soto 4, em Espanha, com 426 megawatts de capacidade instalada, através da compra da participação de 25% detida pela Sonatrach.

As relações comerciais com a sociedade, associadas a esta parceria, ficam também cessadas.

“Esta transação fornece à EDP flexibilidade adicional para gerir a transição para a neutralidade carbónica com 100% de produção de eletricidade a partir de fontes renováveis até 2030”, apontou.

Na sessão de hoje da bolsa, as ações da EDP subiram 0,99% para 4,89 euros.

Recomendadas

PremiumEugénio Rosa: “A substituição da administração do Banco Montepio é necessária”

“Sou totalmente contra uma administração que caia de paraquedas no Banco Montepio”, defende Eugénio Rosa, líder da lista C, candidata às eleição dos órgãos associativos do Montepio Geral.

PremiumPedro Corte-Real: “Há garantias do primeiro-ministro que o Montepio ia ser apoiado”

Pedro Corte-Real, que lidera a lista B para a presidência da Associação Mutualista Montepio Geral, defende que o Estado deve ajudar o Banco Montepio e diz que “esse apoio ainda não foi dado por falta de credibilidade das direções”.

Goldman Sachs quer aumentar diversidade étnica e de género nas cotadas do S&P 500 e do FTSE 100

A Goldman Sachs Asset Management diz que quer estar na vanguarda para impulsionar uma maior diversidade e inclusão nos conselhos de administração em todo o mundo.
Comentários