EISAP vê ‘Green Deal’ como oportunidade de transformação para o transporte marítimo

Esta preocupação com metas ambientais, tem provocado na indústria do transporte marítimo “a maior alteração desde a introdução do motor a vapor nos navios”, considera o secretário-geral da European International Shipowners of Portugal (EISAP).

O secretário-geral da European International Shipowners Association of Portugal (EISAP), Nuno Mendão, vê o ‘Green Deal’, que traça metas para a melhoria do impacto ambiental de modo a que se alcance a neutralidade climática, como uma grande oportunidade de transformação do setor do transporte marítimo. Esta onda verde já está a inundar esta atividade económica, explica Nuno Mendão, quer pela via da renovação de frotas como da substituição de equipamentos mais poluentes.

“O mercado está em processo de adaptação a esta onda verde. A própria indústria tem por objetivo reduzir em 50% as emissões de CO2 até 2050”, explica Nuno Mendão.

Numa tentativa de dar resposta às preocupações ambientais, Nuno Mendão diz ainda que navios que estão a ser construídos de base “já estão a ter em conta essa regulamentação”, e que já existem motores que permitem utilização de energias alternativas, enquanto que noutros navios já estão a ser efetuadas mudanças que permitem a redução do impacto ambiental.

Transporte marítimo enfrenta maior alteração desde a introdução do motor a vapor

“Isto é importante. A indústria do transporte marítimo está a sofrer a maior alteração desde a introdução do motor a vapor nos navios. Se calhar a maior transformação que a indústria está a sofrer neste momento e que vai sofrer nos próximos anos”, afirma o secretário-geral da EISAP.

“Isto faz com que muitos armadores com frotas mais velhas, com menor desempenho desse ponto de vista, precisem de substituir a sua frota”, acrescenta.

Nuno Mendão diz que nos próximos anos, vai-se assistir no setor a “muitos armadores a abater os seus navios, mais antigos e a comprar navios novos”.

Consulte a edição do Económico Madeira, de 12 de fevereiro.

Relacionadas

Premium“O Brexit é uma grande oportunidade para o MAR”

A partir de outubro, cerca de 400 navios no registo do Reino Unido e mais 300 no de Gibraltar devem precisar de uma nova bandeira, alerta o responsável da associação de armadores de navios.

EISAP diz que registo de navios não tem sido afetado pela indefinição sobre Zona Franca

O secretário-geral da EISAP diz que face ao processo em curso com vista à revisão do Estatuto dos Benefícios Fiscais (com impacto no CINM), “nenhuma nova empresa pode ser registada na Zona Franca da Madeira até que aquela seja aprovada pelo Parlamento Nacional, mas o Registo Internacional de Navios (MAR) não é afectado por isso, uma vez que os armadores podem continuar a registar os seus navios sem terem de registar as suas empresas na Zona Franca”.

EISAP alerta para “crescente insatisfação” que pode levar a fuga de navios de bandeira portuguesa para outras localizações

A se confirmar a fuga para outros registos, a European International Shipowners Association of Portugal (EISAP) diz que portugal perderia relevância política de Portugal na discussão de assuntos ligados a um indústria que “assegura 95% da totalidade dos transportes de mercadorias à escala global”. A Associação reforça que “quanto mais tonelagem tivermos registada com a bandeira Portuguesa “mais peso político” o país terá junto de entidades que  definem toda a estratégia marítima mundial, nomeadamente da International Maritime Organisation (IMO).
Recomendadas

PSD/CDS vence em São Vicente e obtém totalidade dos cinco mandatos

A coligação do PSD/CDS teve assim 2.342 votos, onde os segundos mais votados foram a Iniciativa Liberal com 12,4%, o que corresponde a 412 votos.

Miguel Gouveia admite derrota no Funchal e diz que Coligação Confiança sai “com os mesmos princípios e valores”

O até agora presidente da autarquia disse que a Coligação Confiança fez “uma campanha que muito me orgulha. Saímos com os mesmos princípios e valores que nos propusemos. Fizemos campanha responsável, com projeto sério, honesto e sustentável para o Funchal”.

Coligação PSD/CDS vence no Porto Santo com 50,87% dos votos

Desta forma, a coligação PSD/CDS conseguiu obter três mandatos. Até agora o PSD tinha dois mandatos.
Comentários