Em Cascais, tal e qual como na Índia

Neste que é o sexto restaurante do grupo (existem dois em Berlim e três em Portugal:  o do Bairro Azul, o do Príncipe Real e ainda o Chutnify Canteen no Norte Shopping), convergem as inspirações que fazem das casas Chutnify uma viagem pela riqueza da cultura Indiana.

Punkha Bar.

Quatro anos depois de chegar ao Príncipe Real, Aparna Aurora levou o seu Chutnify e os verdadeiros sabores da Índia para o centro de Cascais. Com  morada na Rua Amarela, este que é um dos restaurantes indianos mais populares de Lisboa, surge numa sala ampla, com uma decoração incrível e com uma simpática esplanada. Existe ainda um bar  focado nos cocktails de autor, o Punkha Bar.

Neste que é o sexto restaurante do grupo (existem dois em Berlim e três em Portugal:  o do Bairro Azul, o do Príncipe Real e ainda o Chutnify Canteen no Norte Shopping), convergem as inspirações que fazem das casas Chutnify uma viagem pela riqueza da cultura Indiana. No novo Chutnify no centro de Cascais nasce uma experiência única, mas sempre fiel ao legado gastronómico e autenticidade de sabores da Índia.

Pelo portão original do espaço, que tem 110 m2, abre-se um universo colorido e alegre desenhado pelo decorador mexicano António Medina, dividido entre uma zona lounge de bar  e uma sala confortável para almoçar e jantar. As paredes não falam, mas contam histórias de uma Índia antiga através dos desenhos de típicas caixas de fósforos indianas, que se tornaram um símbolo cultural do país. A dividir os espaços, uma cozinha aberta de onde sai o cheirinho a açafrão, cardamomo e cominhos.

No menu descobrem-se especialidades indianas, desde entradas como as famosas Chilli Garlic Prawns (tradicionais de Calcutá), aos pratos principais que nos levam numa rota por Curries (pratos de caril das mais variadas regiões e mais ou menos picantes), suculentos grelhados no Tandoor ou pratadas do arroz aromático Biryani, sempre com versões vegetarianas e vegan também disponíveis. Para acompanhar, não faltam os irresistíveis Naans e opções como lentilhas Dal Makhani. Na carta de sobremesas há chamuças de chocolate e Gajar Halwa, um doce tradicional à base de cenoura, com frutos secos, açafrão e um toque de natas.

No Punkha Bar, o lounge que surgiu debaixo do mesmo teto mas com uma carta autónoma, a aposta está nos cocktails de autor, com as propostas de mixologia a metade do preço entre as 18h e as 19h, happy hour que também se aplica a cervejas e vinhos. Na carta, contam-se seis cocktails, a partir dos 8€, entre os quais o Bombay Badshah (gin, sumo de limão, clara de ovo e manjericão), o Delhi Dhamaka (tequila, cointreau, sumo de limão e coentros) e o Daro Mat (bourbon, rum, cerveja, lima e clara de ovo).

Rua Afonso Sanches, 53, Cascais. Das 12h às 15h e das 18h às 22h30. Sábado, até às 16h. Domingo aberto a partir das 11h. Encerra segunda-feira. Tel.:  218 090 774.

Visite http://www.chutnify.com/pt

Recomendadas

Essência. Restaurante em Budapeste também fala português e recebeu uma estrela Michelin

Um português e uma húngara apaixonam-se, tendo a paixão da comida em comum. O resultado? Um restaurante onde os menus permitem escolher se queres escolher Portugal, Hungria ou um misto dos dois numa fusão de sabores. O JE falou com Tiago Sabarigo, proprietário e chef do Essência, que recebeu este mês uma estrela Michelin.

Balsemão: “Este livro não é, nem pretende ser, um ajuste de contas”

A apresentação do livro de 962 páginas, onde o patrão do “Expresso” e da SIC, conhecido jornalista, empresário e político relata as suas Memórias, coube a Luís Marques Mendes e Clara Ferreira Alves. “Devemos agradecer às pessoas que nos fazem felizes”, disse Balsemão, citando Proust.

Instituto Camões e Universidade Sorbonne criam Cátedra Paul Teyssier

Entre as obras do linguista destacam-se “A Língua de Gil Vicente”, “História da Língua Portuguesa”, “Manual de Língua Portuguesa” e “Études de litterature et de linguistique”, entre outros títulos.
Comentários