Emirates planeia cortar nove mil postos de trabalho devido à pandemia

O presidente da Emirates Tim Clark, revela que a empresa já cortou um décimo da sua equipa (seis mil empregos), deixando-a com uma força de trabalho de 54 mil trabalhadores, aos quais ainda serão aplicados cortes salariais.

7. Emirates

A companhia aérea Emirates, planeia cortar nove mil postos de trabalho devido às quebras na procura de viagens provocadas pela pandemia da Covid-19, informa o jornal “Expansión” este sábado, 11 de julho.

O presidente da companhia aérea dos Emirados Árabes Unidos, Tim Clark, revelou que a empresa já cortou um décimo da sua equipa (seis mil empregos), deixando-a com uma força de trabalho de 54 mil trabalhadores, aos quais ainda serão aplicados cortes salariais. “Provavelmente teremos que cortar mais alguns empregos, provavelmente até 15%”, referiu Tim Clark à “BBC”.

Antes do início da pandemia da Covid-19, a companhia aérea tinha 60 mil funcionários, mas a 31 de maio anunciou demissões, apesar de não especificar quantas seriam. Até então, a Emirates era a única companhia a manter toda a sua equipa, enquanto as outras operadoras do Golfo Pérsico anunciavam planos de ajustes.

A Etihad, com sede em Abu Dhabi, e a Qatar Airways, com sede em Doha, começaram as demissões depois dos países mais afetados pela pandemia fecharem o espaço aéreo à medida que o coronavírus se ia espalhando.

De acordo com Tim Clark, a Emirates, propriedade de um fundo soberano do Dubai, “não era tão má como as outras companhias aéreas e estava a caminhar para um dos seus melhores anos” antes da pandemia.

Recomendadas

PremiumConservas querem substituir 200 milhões de importações

Campanha em curso de promoção do consumo de conservas deverá aumentar vendas em cerca de 5%, revela José Maria Freitas, presidente da ANICP – Associação Nacional dos Industriais de Conservas de Peixe, em entrevista ao Jornal Económico.

Lucro da petrolífera Saudi Aramco cai 50% no primeiro semestre para 19,7 mil milhões de euros

A petrolífera Saudi Aramco alcançou 23,2 mil milhões de dólares (cerca de 19,7 mil milhões de euros) de lucro no primeiro semestre deste ano, menos 50% do que em igual período do 2019, penalizado pela pandemia de covid-19.

Apenas 2,7% das coimas da Autoridade da Concorrência foram pagas desde 2004

Uma das razões para os atrasos são os múltiplos recursos na Justiça, que contribuem para que só uma pequena parte das coimas seja paga.
Comentários