Emprego tem sido principal impulsionador da economia e não produtividade, alerta BdP

Banco de Portugal diz que “é crucial persistir na implementação de políticas económicas que promovam a convergência entre as economias da área do euro”.

A economia portuguesa tem crescido essencialmente à custa do crescimento do emprego e não da produtividade. A conclusão é do Banco de Portugal (BdP), deixando o alerta de que o aumento do potencial de crescimento da economia é “determinante” para suportar o crescimento do consumo privado e a acumulação de capital, sem pôr em causa a redução do endividamento.

No Boletim Económico de maio, divulgado esta quarta-feira, a instituição liderada por Carlos Costa salienta que “a expansão da economia portuguesa nos últimos cinco anos tem sido acompanhada por uma redução do endividamento dos vários setores da economia e, por esta via, dos desequilíbrios acumulados no passado”.

O BdP realça que “a economia está, hoje, mais aberta ao exterior e o PIB per capita tem vindo a convergir ligeiramente com o da área do euro”. No entanto, destaca que, “não obstante, o crescimento do produto tem decorrido, essencialmente, de um crescimento do emprego e não de um aumento da produtividade”.

A análise do regulador considera, ainda, que “é crucial persistir na implementação de políticas económicas que promovam a convergência entre as economias da área do euro, num quadro de coordenação entre as políticas nacionais e europeias e de conclusão da União Bancária”.

O BdP destaca ainda que a recuperação da economia tem sido acompanhada “por uma redução do endividamento dos vários setores da economia e, por esta via, dos desequilíbrios acumulados no passado”.

Economia abrandou em 2018, seguindo tendência da zona euro

Na análise à economia nacional de 2018, o BdP salienta que “a atividade económica abrandou em 2018, num contexto de desaceleração generalizada na zona euro”. Neste sentido, destaca que se verificou “uma deterioração da envolvente externa global associada designadamente a receios de um recrudescimento do protecionismo, com efeitos penalizadores sobre os fluxos de comércio”.

“O PIB real aumentou 2,1%, depois de ter crescido 2,8% em 2017. Esta desaceleração acompanhou os desenvolvimentos na área do euro e foi determinada pelo crescimento menos acentuado das exportações e, em menor grau, do investimento empresarial”, refere.

O regulador bancário destaca ainda que “já o PIB per capita cresceu 2,3% (3% em 2017), prosseguindo a convergência para o PIB per capita da área do euro, que aumentou 1,2%. Não obstante, em 2018, o PIB per capita português situava-se em 58% do PIB per capita da área do euro”.

O relatório sublinha ainda que a evolução das exportações de bens e serviços foi diferenciada por mercados. Se por um lado, as exportações para a União Europeia mantiveram um crescimento significativo, por outro lado, diminuíram para fora da União.

“Embora tenham desacelerado, as exportações de turismo aumentaram 7,5% em 2018 e estiveram, a par das exportações de automóveis, na origem dos ganhos de quota de mercado dos exportadores portugueses, que totalizaram 0,3 pontos percentuais (pp) em 2018 (3,1 pp em 2017)”, explica. Já as importações cresceram 4,9% em 2018, “embora também tenham abrandado, superaram a evolução das exportações, o que se traduziu numa redução do excedente da balança de bens e serviços”.

Ler mais
Relacionadas

‘Hard Brexit’ com impacto adicional para a zona euro (incluindo Portugal), diz BdP

Banco de Portugal antecipa que, no entanto, Portugal não deverá ser um dos países mais afetados da zona euro, ainda que o Reino Unido represente “o parceiro comercial mais importante fora da união monetária”.

Empresas exportadoras e importadoras têm maior produtividade, conclui BdP

BdP identifica um aumento do peso das empresas que participam em trocas internacionais. Crescimento resulta sobretudo da prevalência de empresas exportadoras em todos os setores, nomeadamente a partir de 2010.

Novas empresas expandem fronteira da produtividade, aponta BdP

Banco de Portugal explica que as melhores empresas que chegam ao mercado revelam “um desempenho particularmente positivo”. Já os setores da distribuição da produtividade “manteve-se praticamente inalterada na última década”.
Recomendadas

Preços de Transferência: Qual o papel dos prestadores de serviços na ajuda às multinacionais

Criação de valor com os preços de transferência está na ordem do dia. As empresas que querem vir a internacionalizar não podem descurar esta dinâmica. As consultoras estão atentas a esta matéria fiscal com o objetivo de obterem os melhores resultados para os clientes.

Marcelo não se pronuncia sobre crédito da Caixa a Isabel dos Santos

“Não comento casos específicos nesse domínio, como noutros”, disse Presidente da República, questionado sobre as notícias do empréstimo de 125 milhões de euros pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) a Isabel dos Santos, sem que a instituição tenha avaliado se a empresária tinha capacidade financeira para pagar.

“Quem não for votar, não diga que outros acabaram por fazer escolhas que não aquelas que queriam”, diz Marcelo

Presidente da República apelou à participação eleitoral este domingo e defendeu que “o voto é de cada qual e desperdiça-lo é verdadeiramente, em todos os momentos, mas agora em particular, um erro enorme”.
Comentários