Empresa dona do Zmar está insolvente, mas unidade turística vai reabrir

O Zmar pertence à Multiparques a Céu Aberto – Campismo e Caravanismo em Parques, S.A., com sede no concelho de Odemira, no distrito de Beja. A empresa foi declarada insolvente pelo Juízo de Competência Genérica de Odemira a 10 de março.

A declaração de insolvência da empresa responsável pelo Zmar – Eco Camping Resort não coloca em risco de encerramento este complexo turístico, em Odemira (Beja), que prevê reabrir “muito em breve”, disse à agência Lusa fonte do empreendimento.

“O Zmar está fechado neste momento devido à pandemia” de covid-19, mas “a insolvência não prejudica o seu funcionamento”, afiançou esta terça-feira Francesca Mello Breyner, coordenadora do departamento de marketing do empreendimento.

A mesma responsável acrescentou que, de momento, se está “a planear a abertura” da unidade situada no litoral alentejano. “Estamos a apontar para maio, mas a data ainda não é concreta”, disse.

O Zmar pertence à Multiparques a Céu Aberto – Campismo e Caravanismo em Parques, S.A., com sede no concelho de Odemira, no distrito de Beja.

A empresa foi declarada insolvente pelo Juízo de Competência Genérica de Odemira a 10 de março deste ano, sendo requerente a sociedade Ares Lusitani — Stc, S.A., que tem uma participação de 56,6% na Multiparques.

Segundo o anúncio da sentença de declaração de insolvência, publicado a 11 de março e consultado pela Lusa, o período de reclamação de créditos por parte dos credores terminou esta segunda-feira.

Para o próximo dia 27 deste mês, pelas 14:00, está agendada uma assembleia de credores.

De acordo com o anúncio do tribunal, está previsto que possa ser apresentada uma proposta de plano de insolvência pelo administrador da insolvência, pelo devedor, por qualquer pessoa responsável pelas dívidas da insolvência ou por qualquer credor ou grupo de credores que representem um quinto do total dos créditos não subordinados reconhecidos na sentença de graduação de créditos.

O Zmar foi inaugurado em junho de 2009, ocupando uma área de 81 hectares no concelho de Odemira.

O complexo inclui um ‘eco-hotel’ com tipologias T1 a T3, espaços para tendas e caravanas, parque aquático com piscinas descoberta e coberta, zona desportiva, restaurante e bar.

O empreendimento, distinguido com mais de uma dezena de prémios nas áreas do turismo e sustentabilidade, foi classificado como projeto de Potencial Interesse Nacional (PIN) e implicou um investimento de “cerca de 25 milhões de euros”.

Ler mais
Recomendadas

Carlos Ribas: “Não fosse esta situação dos componentes e este ano seria o melhor de sempre em vendas da Bosch em Braga”

Bosch fechou 2020 com uma quebra homóloga de 10%, para 1,6 mil milhões de euros, nas vendas em Portugal. Em entrevista ao Jornal Económico o representante do grupo alemão em Portugal, Carlos Ribas, justifica o decréscimo com o impacto da pandemia nas operações, sobretudo na divisão automóvel em Braga.

Grupo de trabalho defende subida de taxa nas barragens da Engie no rio Douro

Três das barragens pagam atualmente 67 mil euros por ano, mas com uma atualização da taxa passariam a pagar 751 mil euros anuais. Parte da receita da taxa de recursos hídricos deve ser usada no “apoio de projetos no território” impactado pelas barragens, defende o documento.

Luís Filipe Vieira vai hoje à Comissão de Inquérito para explicar reestruturação da dívida ao Novo Banco

Fundo que ficou com a maior parte das dívidas e ativos do grupo Promovalor ao Novo Banco não vai conseguir cumprir plano de reembolsos. Como o presidente do Benfica deu o seu aval, poderá ser executado pelo Novo Banco já no próximo ano. Vieira é um dos grandes devedores a ser ouvido nesta segunda-feira pelos deputados.
Comentários