PremiumEmpresários têm lugar marcado no ‘Business Rail’ e rumam à China

O evento, a decorrer de 9 a 20 de outubro, arranca em Pequim e tem paragens em Xangai, Shenzhen, Hong Kong e Macau.

No Business Rail a palavra chave é networking. O segredo do sucesso, tanto do próprio evento como dos processos de internacionalização das empresas portuguesas num mercado tão ‘sui generis’ como é o chinês, é a partilha de conhecimento num ambiente diferente, conseguido a bordo de uma carruagem de comboio. E tudo começou por um gosto e experiência pessoal da fundadora do projeto, Gabriela Faria de Oliveira, fundadora e CEO do Business Rail, e diretora executiva do CIC – Centro Internacional de Cultura, promotor desta experiência empresarial única, numa coorganização com a AJEPC – Associação de Jovens Empresários Portugal-China. A organização passa ainda pelos apoios da JEUNE – Organização de Jovens Empresários da União Europeia e da Federação Sino-PLPE.

Depois do comboio deixar a estação de Pequim, e ao longo dos 12 dias que se seguem, os empresários, que podem entrar e sair em qualquer dos pontos de passagem, sem obrigação de cumprir o percurso na íntegra, vão poder ir muito além da simples troca de cartões e apresentar, no formato que desejarem, a sua mais-valia.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

EDP Renováveis fecha contrato de aquisição de energia de 15 anos para um projeto eólico no Canadá

A EDP Renováveis fechou um contrato com a TransCanada Energy para a venda da energia verde do seu parque eólico de Shap Hills, no Canadá.

Aon e Firma estabelecem parceria para soluções globais de financiamento das empresas

Bernardo Theotónio-Pereira explica a parceria com “as necessidades actuais das empresas” que “passam, na sua maioria, por soluções de tesouraria e de funding céleres e independentes da burocracia e lentidão da banca nacional e/ou de outros players ou fundos ‘abutres’ que se instalaram em Portugal ”.

Quem é a Evergrande e porque está a assustar os mercados mundiais?

A iminência de incumprimento por parte do gigante chinês do imobiliário fez tremer os mercados e há já quem tema um impacto sistémico de elevadas proporções. O Jornal Económico falou com analistas do mercado e com o CEO da Vanguard Properties, que deram a sua visão sobre o que se passou com a Evergrande e que impacto pode ter no mercado.
Comentários