Empresas e empreendedores apostam na inovação e encontram nova vida para pneus a chegar ao fim

A Beta-i, a Valorpneu, as multinacionais Genan e a Decathlon aceitaram o desafio de dar uma segunda vida aos pneus. Com o resultado deste projeto piloto, conseguiram reduzir 700 quilos de emissões de carbono na produção e cerca de 75% do consumo total de energia e água na sua produção.

A palavra “sustentabilidade” tem estado na ordem do dia das empresas e dos consumidores uma vez que cada vez mais são descartadas milhares de milhões de toneladas de materiais a que pode ser dada uma segunda vida.

É o caso dos pneus. Todos os anos no mundo são descartados mais de 30 milhões de toneladas de pneus em fim de vida, sendo que, só em Portugal, são descartadas 80 mil toneladas. Destas, 60% são encaminhadas para reciclagem e cerca de 40% para produção energética.

Tendo isto em conta, a consultora Beta-i, a portuguesa Valorpneu, a recicladora multinacional dinamarquesa Genan uniram-se, no âmbito do programa NextLap, e aceitaram o desafio de dar uma segunda vida a este material.

A estes, juntaram-se nove empresas associadas à cadeia de valor do sector e cinco empreendedores portugueses que começaram a desenvolver em conjunto seis projetos focados em dar uma segunda vida a materiais derivados da reciclagem de pneus em fim de vida e promover um mercado mais circular. A gigante francesa do desporto Decathlon, ao lado dos parceiros de inovação Rubberlink e Tintex, são responsáveis por dois destes projetos-piloto, que consistem em protótipos de calçado fabricado com materiais de pneus descartados, nomeadamente, o granulado de borracha, fibras têxteis e aço.

Recomendadas

PremiumBastam 15 km de nova linha para ligar Faro a Sevilha

Há mais de dez anos que a RAVE equacionou uma solução faseada para ligar as redes ferroviárias do Algarve e da Andaluzia implicando um investimento mínimo para Portugal e a utilização do Alfa Pendular.

PremiumO novo arsenal da Netflix para fechar ano em força

Há qualquer coisa na história dos primeiros anos da Netflix que nos desconcerta.

BlackRock, HSBC e UBS são dos que mais investiram na dívida da Evergrande

Depois de analisar as exposições à Evergrande pelos seis maiores fundos de obrigações de alto rendimento na Ásia, a Morningstar assinalou que aquelas três instituições estiveram a “acumular” dívida da Evergrande nos últimos meses.
Comentários