“Era um procedimento errado e foi corrigido”, diz Augusto Santos Silva sobre dados enviados à Rússia

Apesar de considerar que o erro foi corrigido, o ministro diz esperar “que as autoridades russas que receberam indevidamente os dados cumpram as leis internacionais da proteção de dados e os apaguem”.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva avaliou, esta quinta-feira, como sendo “um procedimento errado” o envio de informação ao Kremlin de ativistas russos a viver em Portugal. Segundo o governante, o procedimento “foi corrigido”.

Depois de ter sido noticiado que a Câmara Municipal de Lisboa enviou para a Rússia informação relativa a ativistas russos a viver em Portugal, Augusto Santos Silva referiu que o sucedido “não se trata de um incidente diplomático”. “Era um procedimento que era errado e foi corrigido”, sublinhou.

Apesar de considerar que o erro foi corrigido, o ministro diz esperar “que as autoridades russas que receberam indevidamente os dados cumpram as leis internacionais da proteção de dados e os apaguem”.

De acordo com o “Observador” e “Expresso”, a Câmara Municipal de Lisboa detinha informação sobre os ativistas porque estes as cederam para poderem participar numa manifestação a favor do crítico de Putin, Alexei Navalny. O autarca de Lisboa, Fernando Medina, pediu desculpas e classificou a situação como “um erro lamentável que não devia ter acontecido”.

Augusto Santos Silva descreveu ainda que viu “a explicação apresentada pela CML, verifiquei que quando o procedimento foi identificado o erro foi corrigido, só me resta congratular-me com  esse facto

 

Relacionadas

Fernando Medina considera “delírio desesperado” pedido de demissão de Carlos Moedas

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa considerou hoje “um aproveitamento político muito simplório” e um “delírio desesperado” o pedido de demissão feito pelo candidato do PSD à autarquia, Carlos Moedas.

Da esquerda à direita: O que dizem os partidos sobre a cedência de dados à Rússia?

Na generalidade, deputados e candidatos à Câmara de Lisboa pretendem ver a situação esclarecida e apontam para “a violação da lei.”
Recomendadas

Bolsonaro age para partidarizar e quebrar espinha das Forças Armadas no Brasil, dizem analistas

Na semana passada, o general e comandante do Exército brasileiro, Paulo Sérgio Oliveira, decidiu não punir o também general do Exército Eduardo Pazuello, que participou num passeio de moto no Rio de Janeiro, com o Presidente da República, e até discursou em cima de um carro de som em 23 de maio.

André Ventura exige demissão de Fernando Medina

Líder do Chega considera que o presidente da Câmara de Lisboa “violou grosseiramente os seus deveres de titular de cargo político” devido ao envio de informações pessoais de manifestantes à Embaixada da Rússia.
miguel_pinto_luz_psd_1

Miguel Pinto Luz: “Acredito que o PSD voltará a ser um grande partido para bem de todos nós”

Ex-candidato à liderança do PSD defende que é urgente mudar o posicionamento político do seu partido, responsabilizando o centrismo defendido por Rui Rio pelo aparecimento de “cogumelos partidários” no centro-direita.
Comentários