ERC autoriza passagem do controlo dos títulos da Media Capital para Cofina

Esta era a última autorização regulamentar que faltava à Cofina para que a aquisição da Media Capital possa ser concluída. Falta, agora, concluir o aumento de capital e lançar a OPA sobre 5% da Media Capital que estão nas mãos de outros investidores.

A Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) autorizou por unanimidade “a alteração do controlo dos meios detidos pela Prisa, através da Vertix (veículo do grupo espanhol que detém 94,69% do Grupo Media Capital), para a Cofina”, de acordo com o comunicado enviado à redação pelo grupo liderado por Paulo Fernandes, esta sexta-feira, 21 de fevereiro. A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) já foi informada.

Esta autorização da ERC configura a última aprovação regulamentar que faltava à Cofina para concluir o negócio.

Agora, a da dona da TVI e Rádio Comercial está apenas sujeita “ao registo do aumento de capital da Cofina, cujo prospeto foi objeto de divulgação no dia 17 de fevereiro”. “Por sua vez, nos termos do respetivo anúncio preliminar, o lançamento da oferta está sujeito ao registo do mencionado aumento de capital da Cofina e também à obtenção do registo prévio da oferta junto da CMVM”, lê-se no comunicado veiculado pela CMVM.

Isto é, à Cofina falta somente concluir o processo de aumento de capital e, posteriormente, o lançamento da oferta pública de aquisição (OPA) sobre os restantes 5,31% da Media Capital, que estão nas mãos do Abanca (5,05% via Nova Caixa Galiza) e de outros pequenos investidores.

O grupo dono do Correio da Manhã e CMTV tem, assim, “a expectativa de concluir a aquisição do capital detido pela Prisa no grupo Media Capital na segunda semana de março”,lê-se na nota enviada ao JE.

Cofina vai ganhar dois novos acionistas após aumento de capital

Ler mais
Relacionadas

Cofina vai ganhar dois novos acionistas após aumento de capital

O cenário é uma projeção da própria Cofina face ao aumento de capital no montante total de 85 milhões de euros.

Aumento de capital da Cofina para comprar dona da TVI decorre até 11 de março

Oferta pública de subscrição vai permitir que o capital social da Cofina, hoje fixado em 25.641.459,00 de euros, cresça para 110.641.459,05 de euros. Assim a Cofina terá de emitir 188.888.889 novas ações. Após subscrição integral do aumento de capital, a Cofina passa a deter 291.454.725 ações ordinárias. As novas ações da Cofina deverão ser admitidas à negociação bolsista no dia 13 de março.

PremiumCofina vai manter para já as lideranças da Media Capital

Estratégia para dona da TVI está por definir. Os grupos vão trabalhar em separado para já. Fontes próximas do processo adiantam ao Jornal Económico que o primeiro objetivo é relançar estação de Queluz. Nuno Santos e Sérgio Figueiredo serão peças-chave.

Proença de Carvalho: “Global Media está numa posição relativamente confortável, praticamente sem dívida bancária”

Em declarações exclusivas ao Jornal Económico, o chairman da Global Media, Proença de Carvalho, disse que a dona de títulos como DN, JN ou TSF tem “grandes desafios” pela frente. Defende uma reestruturação e “eventualmente ter acesso à televisão”. Sobre o negócio Cofina-Media Capital garante que a Global Media não ficará fragilizada.
Recomendadas

PSD e PS chumbam moratórias nos pagamentos dos serviços de telecomunicações

Além de ter sido chumbada a possibilidade de criar moratórias nos pagamentos dos serviços de telecomunicações, o PCP viu PS, PSD, CDS-PP e PAN travar a proposta de implementar “medidas de salvaguarda”, o que impediria as operadoras de cortar serviços durante o Estado de Emergência.

Covid-19: Airbus anuncia redução de um terço na produção de aviões

O construtor europeu de aviões Airbus anunciou esta quarta-feira que vai fazer uma redução de um terço no ritmo de produção, adaptando as suas capacidades à evolução do mercado mundial de aeronáutica face à pandemia de covid-19.

Chineses desistem de comprar o BNI Europa

O contexto de incerteza na economia global causada pela pandemia da Covid-19 levou o Grupo chinês KWG a desistir de comprar 80,1% da participação do BNI Europa. Negócio estava alinhavado desde dezembro de 2017.
Comentários