Espanhola MásMovil compra Nowo e Oni

Quarta maior operador de telecomunicações em Espanha e GAEA compraram a Cabonitel, que detém 100% do capital da portuguesa Nowo, que por sua vez, detém o total de capital da Oni.

A empresa espanhola MásMovil comprou a Cabonitel, que detém a Nowo e a Oni, segundo uma notificação enviada à Autoridade da Concorrência (AdC). A par da telecom espanhola está também envolvida na aquisição a GAEA, empresa especificamente criada para esta operação e detida pela Inveready GP Holding.

“A operação de concentração projetada consiste na aquisição de controlo conjunto pela MASMOVIL IBERCOM, S.A. (“MásMovil”) e GAEA INVERSIÓN, S.C.R. (“GAEA”) da Cabonitel, S.A. (“Cabonitel”) e, indirectamente, das filiais directa ou indirectamente detidas por esta, nomeadamente a Nowo Communications, S.A. (“Nowo”) e a Onitelecom – Infocomunicações, S.A., (“Oni”) à Cobolink, S.à rl (“Cabolink”)”, refere o aviso publicado pela AdC esta terça-feira.

A Cabonitel, detém 100% do capital da portuguesa Nowo, que por sua vez, detém o total de capital da Oni, foi comprada aos franceses APAX, que tinham comprado em 2015 à Altice os ativos, pelos fundos KKR no ano passado. Por sua a vez, a Cabolink é detida por fundos geridos pela KKR.

A Nowo e a Oni anunciaram em novembro de 2018 a integração das operações das duas empresas para obter sinergias e “um crescimento sustentável”.

Recomendadas

IMT proíbe circulação de veículos ferroviários sem controlo de velocidade (Convel)

No início desta semana, administração da IP revelou que tem uma solução credível, proposta pela Critical Software. Órgão regulador do setor dos transportes “requereu uma avaliação urgente da viabilidade da solução e, caso viável, a consequente implementação igualmente urgente”.

NBA lança-se no mundo das apostas com o serviço NBABet Stream

Com a legalização das apostas desportivas nos EUA em 2018, a NBA torna-se a primeira grande liga desportiva dos EUA a atacar o mercado.

Siza Vieira sobre a possibilidade de adeptos nos estádios: “É mais importante que os jogos se realizem em segurança”

“É mais importante garantirmos a segurança de que as atividades se realizem sem percalços e com limitações do que permitir flexibilidade e depois ter de voltar atrás”, realçou o ministro à margem da conferência sobre o ‘Futebol Profissional e Economia Pós Covid-19’ que decorreu em Oeiras.
Comentários