Espanhola MásMovil compra Nowo e Oni

Quarta maior operador de telecomunicações em Espanha e GAEA compraram a Cabonitel, que detém 100% do capital da portuguesa Nowo, que por sua vez, detém o total de capital da Oni.

A empresa espanhola MásMovil comprou a Cabonitel, que detém a Nowo e a Oni, segundo uma notificação enviada à Autoridade da Concorrência (AdC). A par da telecom espanhola está também envolvida na aquisição a GAEA, empresa especificamente criada para esta operação e detida pela Inveready GP Holding.

“A operação de concentração projetada consiste na aquisição de controlo conjunto pela MASMOVIL IBERCOM, S.A. (“MásMovil”) e GAEA INVERSIÓN, S.C.R. (“GAEA”) da Cabonitel, S.A. (“Cabonitel”) e, indirectamente, das filiais directa ou indirectamente detidas por esta, nomeadamente a Nowo Communications, S.A. (“Nowo”) e a Onitelecom – Infocomunicações, S.A., (“Oni”) à Cobolink, S.à rl (“Cabolink”)”, refere o aviso publicado pela AdC esta terça-feira.

A Cabonitel, detém 100% do capital da portuguesa Nowo, que por sua vez, detém o total de capital da Oni, foi comprada aos franceses APAX, que tinham comprado em 2015 à Altice os ativos, pelos fundos KKR no ano passado. Por sua a vez, a Cabolink é detida por fundos geridos pela KKR.

A Nowo e a Oni anunciaram em novembro de 2018 a integração das operações das duas empresas para obter sinergias e “um crescimento sustentável”.

Recomendadas

CMVM aplica multas de 1,175 milhões entre julho e setembro

No terceiro trimestre de 2020, a CMVM proferiu decisão em seis processos de contraordenação, dos quais quatro por violação dos deveres de atuação dos auditores, dois referentes a deveres de intermediação financeira.

Lloyd’s com lucros de 783 milhões de euros até setembro. Caem 64% num ano

No acumulado dos nove meses, o banco liderado por António Horta Osório registou lucros de 707 milhões de libras (783 milhões de euros) o que traduz uma queda de 64% face aos nove meses de 2019. Imparidades de 4,119 mil milhões de libras justificam a queda dos resultados líquidos. Mas no terceiro trimestre o banco regressou aos lucros.

Cobertura dos media portugueses à Fórmula 1 gerou 13,1 milhões de euros em três dias

Estima-se que a realização do Grande Prémio de Portugal, em Portimão, gerou um impacto financeiro entre 40 a 50 milhões de euros. No que respeita à cobertura dos media portugueses, só as televisões geraram 10,9 milhões de euros, segundo uma análise da Marktest.
Comentários