Espólio pessoal de Alberto Manguel doado a Lisboa na Feira do Livro

A vasta coleção do autor e ensaísta argentino-canadiano fará parte do novo Centro de Estudos de História da Leitura, que ocupará o Palacete dos Marqueses de Pombal, em Lisboa.

A coleção pessoal de livros de Alberto Manguel, escritor, ensaísta, editor e tradutor argentino-canadiano, vai ser doada à cidade de Lisboa. O gesto será oficializado numa cerimónia a realizar-se no próximo dia 12, às 18 horas, na Feira do livro de Lisboa.

Em comunicado, a Câmara Municipal de Lisboa (CML) revela que o espólio pessoal de Alberto Manguel integrará o futuro Centro de Estudos de História da Leitura, uma instituição cultural que nascerá no Palacete dos Marqueses de Pombal, na Rua das Janelas Verdes, em Lisboa.

A assinatura do protocolo que materializa a doação dos mais de 40 mil livros em questão contará com a presença do Presidente da CML, Fernando Medina.

Este centro pretende afirmar “Lisboa como ponto de encontro de culturas e línguas, internacional e intercultural”, contando para tal com a diversidade e universalidade espelhada no seu Conselho Honorário, que reúne personalidades como Olga Tokarczuk, Nobel da Literatura de 2018, Salman Rushdie, autor britânico de origem indiana, o Cardeal Tolentino Mendonça ou Chico Buarque, vencedor do Prémio Camões 2019.

Alberto Manguel é autor de vários best-sellers internacionais, tendo sido já distinguido com o Prémio Formentor das Letras, o Prémio Gutenberg e o Prémio Alfonso Reyes, entre outros. Foi também o diretor da Biblioteca Nacional Argentina de 2016 a 2018.

Recomendadas

DGArtes: Programa de apoio a projetos de Criação e Edição sem audiência de interessados

A Direção-Geral das Artes (DGArtes) confirmou a dispensa de audiência de interessados do Programa de Apoio a Projetos, na área da de Criação e Edição, de forma excecional, por considerar que iria “comprometer a concessão dos apoios”.

Livro: “Veneza”

Este não é um guia nem um livro de história; é um maravilhoso mergulho na vida e no caráter de uma cidade, tendo como pano de fundo o seu prodigioso passado. Veneza ‘by’ Jan Morris.

Quase um terço dos museus de todo o mundo vai fazer despedimentos

A pandemia está a afetar seriamente estas instituições culturais em todo o mundo, exigindo o encerramento ou a limitação de horários de funcionamento, como acontece atualmente em Portugal, aos fins de semana. É a conclusão do relatório do Conselho Internacional dos Museus.
Comentários