Estatuto de crime público para agressões a professores

Sindicato Independente de Professores e Educadores propõe que as queixas possam ser feitas por qualquer pessoa, como já acontece nos casos de violência doméstica.

A violência contra professores e funcionários das escolas está a aumentar e urge atuar, dizem os sindicatos. Nesse sentido, o SIPE – Sindicato Independente de Professores e Educadores vai pedir junto do Ministério Público, Ministério da Justiça e Ministério da Educação o reconhecimento de crime público para agressões a professores realizadas em contexto escolar. Isto permitirá que as queixas possam ser apresentadas por qualquer pessoa, e não apenas pela vítima, à semelhança do que acontece em situações de violência doméstica.

Atualmente, a violência contra professores é crime semipúblico. Na prática, isso significa, segundo Júlia Azevedo, professora e presidente do SIPE, “uma demora de quatro a cinco meses no tratamento dos processos, resultando na maioria das vezes em nada”.

O SIPE vai ainda lançar uma petição para que o assunto seja discutido na Assembleia da República, bem como alertar para a necessidade de penas mais pesadas para os agressores. “Há um sentimento de impunidade por parte dos agressores, que contribui para a repetição deste tipo de ações e para que os docentes se coíbam de denunciar estas situações”, diz Júlia Azevedo.

Para que os professores e educadores possam “denunciar situações de agressão física e verbal sem medo de represálias”, vai ser criada a plataforma “Violência nas Escolas – Tolerância ZERO”. Inclui uma linha de apoio às vítimas, que fará recolha e tratamento de casos de violência reportados por todos os professores que a ela recorram independentemente de ser associados do SIPE.

Recomendadas

Pandemia faz disparar despesa dos politécnicos. Défice estimado de 10 milhões este ano

O número resulta de um levantamento feito pelo Conselho Coordenador, concluído a 30 de junho, e já está na posse do ministro Manuel Heitor, revelou esta sexta-feira, no Parlamento, Pedro Dominguinhos, presidente do CCISP.

Próximo ano letivo vai ter mais tempo de aulas e menos férias, anuncia Governo

“Aumentamos o número de dias de aulas do próximo ano, encurtando, por um lado, a pausa letiva da Páscoa e prolongando a duração do ano letivo para os anos de escolaridade que não estão sujeitos a exame”, explicou.

Fenprof exige distribuição de manuais novos no próximo ano letivo

A Assembleia da República aprovou esta terça-feira uma proposta do CDS/PP que suspende a devolução dos manuais escolares. PS votou contra. As confederações de pais aplaudiram a suspensão.
Comentários