EUA: China e Rússia ainda não enviaram os parabéns a Joe Biden

Entre os grandes países do globo, China e Rússia ainda não se deram ao trabalho de endereçar os parabéns ao democrata Joe Biden, que venceu as eleições norte-americanas.

Os governos (e principalmente os presidentes) da China e da Rússia ainda não encontraram razões para endereçarem os tradicionais parabéns ao vencedor das eleições norte-americanas, o democrata Joe Biden – dizendo oficialmente, tanto Pequim como Moscovo, que estão à espera do encerramento de todas as diligências que envolvem o escrutínio que teve lugar no passado dia 3 de novembro.

A China diz que tomou nota da declaração de vitória de Joe Biden, mas adiou o envio da mensagem de parabéns. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Wang Wenbin, disse esta segunda-feira que o resultado das eleições seria determinado de acordo com as leis e procedimentos dos Estados Unidos, e que Pequim seguiria as práticas internacionais para enviar os seus parabéns. “Percebi que Biden declarou vitória nas eleições”, mas, para Pequim, isso não chega para fechar o assunto.

A China teve desde o primeiro momento uma relação turbulenta com o presidente Donald Trump, caracterizada pelos crescentes atritos sobre comércio, tecnologia e competição pela influência na Ásia e no mundo. A pandemia de Covid-19 veio piorar ainda mais este estado de coisas, o Trump a acusar diretamente a China de ser responsável pela brutal multiplicação dos infetados – que são em número recorde precisamente nos Estados Unidos.

Os analistas afirmam que Joe Biden provavelmente tentará reatar os laços com a China, mas isso não é totalmente certo – ou, pelo menos, o entendimento entre os dois países poderá nunca mais ser aquele que havia quando Barack Obama era o presidente. Em 2016, o presidente chinês, Xi Jinping, enviou parabéns a Trump a 9 de novembro, um dia após a sua eleição.

A Rússia parece ter feito as mesma opção: o Kremlin disse que aguardará os resultados oficiais das eleições presidenciais norte-americanas antes de comentar os resultados e de endereçar os parabéns ao vencedor.

O presidente Vladimir Putin permaneceu em silêncio sobre o assunto desde que o democrata Joe Biden assumiu a vitória no passado sábado, quatro dias após as eleições de 3 de novembro.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse esta segunda-feira que Moscovo considera mais apropriado esperar pela declaração oficial. “Achamos apropriado aguardar a contagem oficial dos votos”, disse.

Putin apressou-se a dar os parabéns a Donald Trump há quatro anos, mas, segundo o porta-voz do Kremlin, as condições são agora diferentes. “Existem certos trâmites legais que foram anunciados pelo atual presidente. É por isso que as situações são diferentes e, por isso, consideramos adequado aguardar um anúncio oficial”, disse Peskov.

Ler mais
Recomendadas

Moody’s reprova que Brasil exclua despesas com a pandemia do teto fiscal

A agência de classificação fez referência ao acordo entre o Governo e o Congresso brasileiros para que as despesas extras relacionadas com a covid-19 não estejam sujeitas, este ano, ao teto de gastos obrigatório.

Bolsonaro diz que lei contra discriminação salarial pode dificultar emprego para mulheres

“Você pode estar dizendo: ‘o patrão tem que tomar vergonha na cara’. Pode acontecer que o pessoal não contrate ou contrate menos mulheres. Não vou discutir o mérito. Segunda-feira é o ‘dia D’. Vou ver nos comentários desta ‘live’ se eu devo sancionar ou vetar o projeto que aumenta a multa para aquele que pague salário menor”, acrescentou o Presidente.

Itália: Draghi apresenta Plano de Recuperação esta sexta-feira

O plano conta com uma dotação de mais de 220 mil milhões de euros. O plano definitivo só será apresentado a 30 de abril e o governo quer resolver o problema de quem gere o quê. A questão determinou o fim do anterior governo liderado por Giuseppe Conte.
Comentários